"Eu sou o Brasil que o Brasil não conhece", de Naná Vasconcelos em entrevista ao Social1 em 2015

Romero Rafael
Romero Rafael
Publicado em 09/03/2016 às 9:35
EM230715017 FOTO:
Leitura:

A música de Naná Vasconcelos, falecido nesta quarta-feira (9) ingrata, era mais internacional do que nacional, do ponto de vista do reconhecimento do público. Em julho de 2015, em entrevista à gente, ele expôs suas impressões sobre o seu trabalho: o não ser popular, apesar de tocar música popular, e o não estar na moda ou não pertencer a um grupo. A conversa, com a repórter Lindainês Santos, ocorreu por ocasião do workshop orgânico, teoria dele sobre ritmos, com a qual garantia que um gringo batesse palma no tempo da música, acompanhando o ritmo, e não no contratempo. Pinçamos duas frases dessa conversa:

Eu sou o Brasil que o Brasil não conhece. O que toco não faz parte do que acontece na música popular, nem para pular, mas é brasileiro.

Cada ritmo de cada lugar se comporta de uma maneira diferente. Eu brinco dizendo que pernambucano brinca, mineiro se esconde, carioca enrola, paulista propaga e consome, baiano beija e ganha tudo (risos)."

Naná Vasconcelos, sobre a própria música

Eu criei esse tipo de ideia, de uma certa forma, por causa da solidão, pois fiquei muito tempo sozinho pelo mundo. O fato de eu não fazer parte da moda me dá o direito de ousar, de ter minhas ideias e expor para o público.

Do percussionista sobre a criação do workshop

Foto: Edmar Melo/Arquivo JC Imagem

Últimas notícias