Comer a própria placenta traz benefícios? Médica explica e quebra preconceitos contra a prática

Augusto Tenório
Augusto Tenório
Publicado em 14/05/2021 às 17:52
Mulher grávida (Imagem: Freepik)
Mulher grávida (Imagem: Freepik)
Leitura:

As publicações de Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert comendo pedaços da placenta da atriz após o parto da sua filha viralizaram nas redes sociais e despertaram a curiosidade de internautas sobre o tema. Conversamos com a médica ginecologista e obstetra Melania Amorim, renomada cientista e pesquisadora internacional, que tem pós-doutorado em Tocoginecologia e Saúde Reprodutiva.

Em diversas publicações, nomeia-se a prática como "placentofagia". Esse termo, porém, não é considerado pela médica como adequado para descrevê-la.

LEIA TAMBÉM
> Amazon estreia série policial com cenas gravadas em Itamaracá e direção de Breno Silveira
> Influenciadora usa sangue menstrual em máscara facial e como resgate da ancestralidade da mulher: “É regenerador”

"Acho esse termo horrível, pois até parece que as mulheres estão pegando a placenta e consumindo toda como se fosse um ato de antropofagia. O que acontece é que, ritualisticamente, algumas consomem pequenos fragmentos da placenta por motivos diversos — como espirituais e religiosos — ou porque acreditam que há benefícios, como redução de hemorragia pós-parto", explica Melania Amorim.

Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert comeram pedaços da placenta da atriz e despertaram curiosidade sobre a prática (Imagens: Reprodução)

Recentemente, publicações apontam que comer a placenta pode repor ferro no organismo, melhorar a produção de leite e afastar a depressão pós-parto. A médica e pesquisadora reforça que esses benefícios não são comprovados. Ao mesmo tempo, também não existem notícias de malefícios.

Dessa forma, a prática é feita de acordo com a vontade das mulheres. "Se elas se sentem satisfeitas não vejo motivo para não garantir que façam o que quiserem com isso", pontua.

Preconceito contra mulheres que comem a própria placenta

Para além de uma discussão sobre possíveis benefícios, há também uma de igual importância: a quebra dos preconceitos contra mulheres que decidem comer a própria placenta.

Melania Amorim, considerada uma das precursoras do movimento de humanização no Recife, conta que sua luta pela liberdade de escolha das mulheres com relação ao que fazer com a placenta já lhe tornou alvo de ataques e calúnias que buscam demonizar a prática.

Imagem: Freepik

Como conta Melania, há quem chame de "comedoras de placenta" as mulheres do movimento de parto humanizado, incluindo quem come, quem não come e até as profissionais envolvidas na assistência.

"Inventaram de tudo, desde que promovemos uma 'comilança de placenta humana' até que eu teria feito hambúrgueres de placenta e colocado a placenta no liquidificador sem tampa, espalhando suco de placenta por todos os lados", conta a médica.

Apesar das dificuldades, ela se levanta sua bandeira: "Como feminista e ativista pela humanização do parto, defensora do protagonismo da mulher no parto, hei de defender sempre que ela tem o direito de fazer o que quiser de sua placenta".

Últimas notícias