Após defender médica negacionista, Juliana Paes é criticada por colega e rebate: "Não sou bolsominion"

Augusto Tenório
Augusto Tenório
Publicado em 03/06/2021 às 8:08
Juliana Paes gravou vídeo se posicionando politicamente (Imagem: Reprodução)
Juliana Paes gravou vídeo se posicionando politicamente (Imagem: Reprodução)
Leitura:

Juliana Paes chamou atenção nesta semana por causa dos seus posicionamentos nas redes. Sem citar nomes, a atriz disse ter sido chamada de "covarde" por colega em vídeo publicado nessa quarta (2). Nele, ela se defende das acusações de conivência com o cenário político e sanitário brasileiro. Ela diz não ser "bolsominion" ou apoiadora de "delírios comunistas da extrema-esquerda", sem citar quais delírios ou qual extrema esquerda estaria presente no país.

As críticas a Juliana Paes se intensificaram após ela sair em defesa de Nise Yamaguchi, médica depoente na CPI da Covid e defensora da cloroquina, medicamento ineficaz contra a doença causada pelo coronavírus. A atriz apontou boçalidade e machismo por parte dos senadores.

"Eu discordo de você sobre a minha posição. (...) Eu já falei publicamente sobre querer vacinas, mas não vou fazer isso todos os dias. Eu fui a primeira a pedir que as pessoas ficassem em casa, quando você ainda nem estava preocupada. Mas, agora, eu não me sinto no direito de pedir que as pessoas fiquem sem trabalhar", comentou.

Ao falar diretamente sobre o cenário político brasileiro, ela afirma: "Eu não sou bolsominion, como adora creditar quem não me conhece, tenho críticas severas a esse que nos governa. Tampouco quero que governe essa oposição que se insinua pro futuro. (...) Eu não apoio os ideais arrogantes da extrema-direita e não apoio delírios comunistas da extrema esquerda".

LEIA TAMBÉM
> Gkay revela como foi gravar o filme Carnaval, da Netflix
> Adriane Galisteu relembra como foi sua primeira vez: ‘Caótica’

Juliana Paes, mesmo pontuando seus desejos "independentemente de ideologia", se posicionou ideologicamente: "quero um governo liberal". Ela pediu uma máquina pública enxuta, vacina, respeito às liberdades individuais e aos grupos minoritários, empatia entre as mulheres, além de "um Chefe de Estado elegante", "informação de qualidade" e "mídia imparcial".

Últimas notícias