Informações e dicas para cuidados do seu bicho de estimação, seja ele um gato, cachorro, pássaro ou peixe de aquário, além de dicas de alimentação, adestramento, saúde e outros serviços
Meu Pet

Fique por dentro das novidades do mundo pet e confira as melhores dicas para cuidado de gatos, cachorros e outros bichinhos de estimação

CONFLITO INTERNACIONAL

Guerra na Ucrânia: Como ficam os pets refugiados?

Saiba como as famílias ucranianas estão lidando com seus pets durante a guerra contra a Rússia

AFP Paloma Xavier
AFP
Paloma Xavier
Publicado em 11/03/2022 às 18:53
Louisa GOULIAMAKI / AFP
Lera, uma jovem refugiada ucraniana, segura seu gato do lado de fora do abrigo temporário perto de Przemysl, na Polônia - FOTO: Louisa GOULIAMAKI / AFP
Leitura:

Muitas pessoas que deixam a Ucrânia por causa da invasão russa não têm coragem de deixar seus animais de estimação para trás. Apesar de toda adversidade e perigos, os refugiados levam gatos, cachorros e até tartarugas para a segurança em outro país além da fronteira.

Katarina e a família não aceitaram deixar para trás os cachorrinhos Ursula e Baloo: "Com minha família temos dois cães, uma menina e um menino. O nome dela é Ursula e dele é Baloo. Eles têm 9 meses de idade, são filhotes, e nós os amamos muito e decidimos levar eles com a gente porque não podemos viver sem eles".

Já Tatiana Tymchuk se agarrou ao gatinho Simon e à tartaruga Cherep. "Este é o nosso querido gato, nós o chamamos de Simon, ele é um Siamês. Esta é nossa querida tartaruguinha chamada Cherep. Não podíamos deixá-los para trás, então vieram com a gente. Também temos cães, mas eles ficaram em casa com o avô", diz a ucraniana.

"A devastação causada por alguns dos bombardeios e o ambiente aberto coberto de vidro, concreto e metal é perigoso para as pessoas, mas também para os animais", afirmou James Sawyer, diretor do Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal (IFAW) no Reino Unido, à Radio 1 Newsbeat.

A organização apoia abrigos na Ucrânia e fornece recursos básicos, como alimentos e suprimentos veterinários. Além disso, a instituição paga os salários dos funcionários durante a guerra para garantir que os animais continuem sendo cuidados.

Também há problemas para as famílias que tentam fugir da Ucrânia através da fronteira, devido às regras sobre o uso de microchips e por terem que apresentar de comprovantes de vacinação dos animais.

Na Polônia, um dos países que está aceitando refugiados, um abrigo de animais não para de receber os pequenos pets.

Louisa GOULIAMAKI / AFP
Cães em um abrigo de animais em Orzechowce, perto de Przemysl, na Polônia - Louisa GOULIAMAKI / AFP

O drama humano é um dos mais trágicos lados da guerra. Os cachorros, gatos e outros animais de estimação ajudam os refugiados a lidar com a dor de deixar o país natal.

Mais de 2,5 milhões de ucranianos precisaram fugir do país, enquanto cerca de 2 milhões foram deslocados internamente.

Louisa GOULIAMAKI / AFP
Cachorro em um abrigo de animais em Orzechowce, perto de Przemysl, na Polônia - Louisa GOULIAMAKI / AFP

Enquanto o conflito não se encerra, o futuro dos refugiados e seus pets segue incerto.

Comentários

Últimas notícias