Blog do Torcedor - Tudo sobre o futebol em Pernambuco, do Nordeste, Brasil e do mundo
Torcedor

As notícias de Náutico, Santa Cruz e Sport, além do futebol nacional e internacional. Com análise, interatividade e opinião

Japão

Jogadora de futebol japonesa se apresenta pela 1ª vez como homem trans

O país oriental é taxado como mal posicionado em relação a outros país desenvolvidos sobre os direitos das pessoas LGBT+

Davi Saboya
Davi Saboya
Publicado em 21/06/2021 às 20:53
Notícia
REPRODUÇÃO/INSTAGRAM
Kumi Yokoyama joga nos Estados Unidos - FOTO: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM
Leitura:

AFP

A jogadora de futebol japonesa Kumi Yokoyama, que joga nos Estados Unidos, apresentou-se pela primeira vez como um homem trans.

O Japão é considerado mal posicionado em relação a outros países desenvolvidos em termos de reconhecimento dos direitos das pessoas LGBT +.

Morar nos Estados Unidos torna mais fácil ser "aberto" sobre sexualidade e gênero, disse Kumi neste fim de semana, em um vídeo postado na página do YouTube de sua antiga companheira japonesa Yuki Nagasato, campeã do mundo de 2011 e que também joga nos EUA.

LEIA MAIS

Uruguai e Chile empatam, por 1 a 1, em Cuiabá, pela 3ª rodada da Copa América

Goleada da Holanda, classificação da Dinamarca e mais: um resumo da segunda-feira de Eurocopa

Hakan Calhanoglu troca Milan por rival italiano

"Recentemente, o termo LGBTQ se tornou corrente no Japão e já aparece na imprensa", comentou Kumi Yokoyama, de 27 anos, que joga em Washington.

"Mas acho que, se pessoas como eu não se expressarem, as coisas não vão avançar", afirmou.

A pressão é forte no Japão para se adaptar às normas de gênero, enquanto a discriminação é menor nos Estados Unidos e na Alemanha, segundo Kumi Yokoyama, que jogou em Frankfurt em 2017-2018.

"No início, escondi (a transidentidade) das minhas companheiras, mas elas me disseram que a melhor coisa não era me calar e que eu não era obrigada a permanecer em silêncio sobre isso", acrescentou Kumi.

"Nós apoiamos você e estamos orgulhosas de você, Kumi. Obrigado por mostrar ao mundo que está tudo bem reconhecer você como você é", reagiu seu clube, o Washington Spirit, no Twitter.

No Japão, um projeto de lei contra a discriminação das pessoas LGBT+ terminou não sendo votado na sessão parlamentar encerrada na semana passada, apesar da iminência dos Jogos de Tóquio (23 de julho a 8 de agosto) e da mensagem de tolerância veiculada pelo movimento olímpico.

Nesta segunda-feira, a halterofilista neozelandesa Laurel Hubbard, de 43 anos, tornou-se a primeira atleta abertamente transgênero a ser selecionada por um comitê olímpico nacional para participar das Olimpíadas.

Comentários

Últimas notícias