Blog do Torcedor - Tudo sobre o futebol em Pernambuco, do Nordeste, Brasil e do mundo
Torcedor

As notícias de Náutico, Santa Cruz e Sport, além do futebol nacional e internacional. Com análise, interatividade e opinião

SENADOR

Romário promete abrir CPI sobre a CBF em caso de troca de comando na entidade; entenda

Ex-jogador e atual senador, Romário disse que "o futebol não merece essa sacanagem"

Carolina Fonsêca
Carolina Fonsêca
Publicado em 22/09/2021 às 17:55
Notícia
REPRODUÇÃO
Romário prometeu levar o caso ao presidente do Senado Federal para abertura de uma CPI. - FOTO: REPRODUÇÃO
Leitura:

O ex-jogador de futebol e atualmente senador pelo estado do Rio de Janeiro, Romário (PL-RJ) usou as redes sociais, nesta quarta-feira (22), para alertar Marco Polo Del Nero, Ricardo Teixeira e Gustavo Feijó. Em seu perfil no Twitter, ele escreveu que caso a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) volte ser presidida por Del Nero ou Teixeira ou ainda por Feijó, abrirá uma Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a entidade do Senado Federal. 

>> Ednaldo Rodrigues assume provisoriamente e vira 7º presidente da CBF em 10 anos

>> Ex-presidente da CBF tem pena reduzida pela Corte Arbitral do Esporte; entenda 

"Se a CBF voltar a ser presidida por Del Nero ou Teixeira, ambos banidos do futebol pela Fifa, ou Gustavo Feijó, cheio de escândalos na vida pública e privada, vou coletar assinaturas e falar com o presidente do Senado para abrir uma nova CPI, agora, especificamente sobre a CBF", postou. Além da publicação no Twitter, Romário repostou o conteúdo em seu perfil no Instagram.

"O futebol não merece mais essa sacanagem e desrespeito. Entendo que este não é o momento, pelo que estamos vivendo aqui: crise sanitária e econômica por causa da covid-19. Contudo, não vou aceitar. Sei que irei tomar porrada, mas não vou aceitar. Estou alertando para que não aconteça", acrescentou. 


Marco Polo Del Nero e Ricardo Teixeira estão banidos do futebol pela Fifa. Feijó é um dos atuais vices da CBF e está tentando chegar à presidência da entidade com apoio de Del Nero. 

O comando da CBF

No dia 4 de junho deste ano, uma funcionária da CBF denunciou Rogério Caboclo, então presidente da entidade, por assédio sexual e moral. Caboclo foi afastado, provisoriamente, do cargo dois dias depois e também passou a receber novas acusações.

Após o afastamento provisório, a Comissão de Ética da CBF suspendeu Rogério Caboclo por 15 meses. Ele ainda poderia voltar à entidade em setembro de 2022, antes do fim do seu mandato, que vai até abril de 2023. Desde o dia 25 de agosto, a CBF está sendo comandada por Ednaldo Rodrigues, ex-presidente da Federação Baiana de Futebol. 

 

Comentários

Últimas notícias