Blog do Torcedor - Tudo de Brasileirão, futebol internacional, Fórmula 1, NBA, NFL e todos os esportes
Torcedor

Notícias do Brasileirão; de Náutico, Santa Cruz e Sport; e futebol internacional. Fórmula 1, NBA, NFL e todos os esportes com análise, interatividade e opinião

POLÊMICA

Jogador do PSG faz boicote à causa LGBTQIA+ e se recusa a jogar pelo Campeonato Francês; veja

Foi o segundo jogo que o PSG fez uso das cores da bandeira LGBTQIA+ e a segunda partida que o atleta ficou de fora

Eduardo Falcão
Eduardo Falcão
Publicado em 16/05/2022 às 12:47
AFP
PSG volta aos treinos na segunda-feira que vem - FOTO: AFP
Leitura:

A última partida do PSG pelo Campeonato Francês, não ficou marcada nem pela grande atuação de Lionel Messi e nem pelo placar elástico frente o Montpellier - 4x0. Mas sim por um ausência que foi bastante comentada na imprensa francesa: a do meio-campista do PSG, Idrissa Gueye.

O africano não participou do jogo contra o Montpellier e os jornais da França especularam um possível boicote do jogador à causa LGBTQIA+, já que o clube francês atuou com a numeração nas cores da bandeira do movimento que busca mais respeito e empatia da sociedade. 

A informação foi veiculada pela "RMC Sports", que afirmou que o atleta se opôs a atuar a prestar sua solidariedade com à causa por ser contra o movimento..

O jornal ainda confrontou outra partida em que o PSG fez uso de cores da bandeira LGBTQIA+ e que Gueye também não atuou, alegando estar com "gastroenterite". 

Após o jogo, o técnico do PSG, Mauricio Pochettino, foi questionado sobre a não participação de Gueye na partida contra o Montpellier e afirmou: "O Idrissa [Gueye] fez a viagem para Montpellier, mas não jogou devido a problemas pessoais. Não está lesionado", disse o comandante argentino.

Gueye é assumidamente muçulmano e, em alguns países, a homossexualidade não é permitida, sendo passível de morte. 

Em contato com a "RMC Sports", o presidente da Federação Esportiva LGBTQIA+Eric Arassus, ficou furioso com a atitude de Gueye e pediu para que o jogador fosse punido.

"É um excelente jogador, reconhecemos isso, mas a religião não deve ser questionada no esporte. Podemos dizer que a homofobia é uma negação no esporte. Todos os jogadores participaram, menos ele, devia ser punido".

"Quando vemos um jogador inventar desculpas, como uma pseudo gastroenterite, percebemos que é homofobia e que o clube e a Liga deixaram isso acontecer. Ser homofóbico é punível por lei", disse Arassus.

Comentários

Últimas notícias