pandemia

Brasil ainda tem falta de testes e insumos para enfrentar coronavírus

Até que o abastecimento destes insumos alcance níveis seguros, as autoridades sanitárias não recomendam flexibilizar as medidas de distanciamento social

AFP
AFP
Publicado em 05/04/2020 às 12:25
Notícia
JOSUÉ DAMACENA/IOC/FIOCRUZ
Pernambuco totaliza quase 50 mil casos do novo coronavírus - FOTO: JOSUÉ DAMACENA/IOC/FIOCRUZ
Leitura:

O Brasil ainda não tem a quantidade suficiente de respiradores, leitos de terapia intensiva, pessoal qualificado e testes diagnósticos para fazer frente à "fase mais aguda" da pandemia do novo coronavírus que se avizinha, destaca um informe do Ministério da Saúde divulgado nesse sábado (4).

O país de 210 milhões de habitantes, que até o momento registra 432 mortes e 10.278 contágios da covid-19, corre contra o tempo para adquirir testes, equipamentos de proteção individual (EPI) para o pessoal de saúde e para aumentar o número de respiradores e leitos disponíveis nos Centros de Terapia Intensiva (CTI) antes de que os cinco estados mais afetadas registrem um aumento drástico de casos, previsto nas próximas semanas.

Até que o abastecimento destes insumos alcance níveis seguros, as autoridades sanitárias não recomendam flexibilizar as medidas de distanciamento social, como defende o presidente Jair Bolsonaro, que avaliou o coronavírus como uma "gripezinha".

Segundo o documento do ministério, que faz uma avaliação da situação no Brasil, os leitos de CTI e de internação não estão corretamente estruturadas nem o número suficiente para a fase mais aguda da epidemia.

Existe, ainda, uma carência de profissionais de saúde capacitados para o manejo de equipamentos de ventilação mecânica, fisioterapia respiratória e cuidados avançados de enfermaria para o tratamento de pacientes graves da covid-19.

Testes

O Brasil tem atualmente capacidade de processar até 6.700 testes por dia nos laboratórios autorizados, mas na fase mais crítica deveria aumentar essa capacidade de 30.000 a 50.000 análises diárias, segundo o informe.

No entanto, as autoridades asseguram que estão trabalhando para aumentar o número de exames e superar os problemas logísticos que retardaram a compra de insumos.

O Brasil, que em 26 de fevereiro se tornou o primeiro país latino-americano com um caso do novo coronavírus, tenta acelerar os preparativos para fazer frente à contagiosa doença, que provocou o colapso dos sistemas de saúde em países como Itália, Espanha e Estados Unidos.

"Talvez essa seja a grande diferença do que vai a acontecer no Brasil com os demais países. Eles não tiveram esse tempo. Tiveram que colocar os leitos, adquirir equipamentos, na fase mais difícil da doença", afirmou neste sábado João Gabbardo, secretário-executivo do Ministério da Saúde durante a coletiva de imprensa diária em Brasília.

"Nós tivemos tempo, conseguimos comprar parte dos EPIs (embora nem todos os que são necessários), conseguimos aumentar bastante o número de leitos, vamos aumentar ainda mais", acrescentou.

De forma geral, a transmissão ainda se encontra em uma "fase inicial" no Brasil, mas o ministério estima que os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Amazonas e o Distrito Federal entrarão logo em uma fase de "aceleração" do número de casos.

Por isso, as autoridades federais recomendam manter as medidas de distanciamento social para diminuir ao máximo a curva de contágios e dar tempo a que os centros de saúde estejam equipados para enfrentar a demanda.

Assine a nova newsletter do JC e fique bem informado sobre o coronavírus

Todos os dias, de domingo a domingo, sempre às 20h, o Jornal do Commercio divulga uma nova newsletter diretamente para o seu e-mail sobre os assuntos mais atualizados do coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo. E como faço para receber? É simples. Os interessados podem assinar esta e outras newsletters através do link jc.com.br/newsletter ou no box localizado no final das matérias.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada

 

Comentários

Últimas notícias