COVID-19

Grávidas e puérperas são incluídas no grupo de risco do novo coronavírus

A decisão foi tomada pelo Ministério da Saúde

Rute Arruda
Rute Arruda
Publicado em 10/04/2020 às 12:47
Notícia
Foto ilustrativa: Pixabay
Em Pernambuco, foi confirmado o óbito de uma gestante vítima do novo vírus - FOTO: Foto ilustrativa: Pixabay
Leitura:

O Ministério da Saúde decidiu incluir, nessa quinta-feira (9), as grávidas em qualquer idade gestacional e puérperas até duas semanas após o parto (incluindo as que tiveram aborto ou perda fetal) no grupo de risco do novo coronavírus. Em Pernambuco, foi confirmado um caso em gestante. A vítima não resistiu às complicações da doença e faleceu no dia 5 de abril. Segundo o médico obstetra Carlos Reinaldo, não há nenhuma evidência científica que indique a inclusão das gestantes e puérperas no grupo de risco, mas a decisão foi necessária.

"Isso é uma decisão política, ela não é baseada em evidencias cientificas, mas que eu concordo e acho muito acertada porque daqui que a gente venha a construir evidências científicas sobre isso, pode ser tarde demais. Se a gente não sabe uma coisa, vamos protegê-las", comentou. Ele explicou ainda que o protocolo de atendimento para esse grupo é o mesmo que o realizado nas outras pessoas, mas, caso o estado de saúde da grávida se agrave, é indicado interromper a gestação.

>> Grávida de 33 anos morre por coronavírus no Recife; bebê foi retirado com vida e está na UTI

"O protocolo é o mesmo. Mas caso ela (a gestante) entre na fase crítica, que é a que precisa de entubação, etc, aí existe a indicação de interromper a gravidez", explicou.

O médico ainda fez um apelo para as pessoas permanecerem isoladas. "Minha orientação é a de ficar em casa. Adiar tudo o que for adiável. O exemplo mais importante é a questão do ultrassom nesse momento. Ultrassom é uma coisa secundária nesse momento. Esqueça isso. Nós temos que pensar primeiramente na saúde, no risco de contrair a covid. O risco nessas próximas duas semanas é muito alto", disse. O obstetra explicou que há dois ultrassons que podem ser adiados nesse momento: o morfológico, realizado entre 20 e 24 semanas da gestação, e a translucência nucal, entre 11 e 14 semanas.

Grupo de risco

Segundo o Ministério da Saúde, estão no grupo de risco:

- Grávidas em qualquer idade gestacional, puérperas até duas semanas após o parto (incluindo as que tiveram aborto ou perda fetal);

- Adultos com 60 anos ou mais;

- Crianças com menos de 5 anos (sendo que o maior risco de hospitalização é em menos de 2 anos, especialmente as menores de 6 meses com maior taxa de mortalidade);

- População indígena aldeada ou com dificuldade de acesso;

- Indivíduos menores de 19 anos de idade em uso prolongado de ácido acetisalicílico (risco de síndrome de Reye);

- Pacientes com tuberculose de todas as formas;

- Cardiovasculopatias (incluindo hipertensão arterial sistêmica);

- Nefropatias;

- Hepatopatias;

- Doenças hematológicas (incluindo anemia falciforme);

- Distúrbios metabólicos;

- Transtornos neurológicos e do desenvolvimento que podem comprometer a função respiratória ou aumentar o risco de aspiração;

- Imunossupressão associada a medicamentos (corticoide, quimioterápicos, inibidores de TNF-alfa), neoplasias, HIV/aids ou outros;

- Obesidade.

Grávida morre vítima de coronavírus em Pernambuco

No dia 5 de abril, uma fisioterapeuta de 33 anos foi vítima da covid-19 em Pernambuco. A informação foi confirmada pelo Hospital Unimed Recife na segunda-feira (6). O bebê foi retirado com vida em procedimento cesariano na madrugada do sábado (4), com 32 semanas. Segundo informações repassadas ao JC no dia 6 de abril, o bebê estava em estado grave e entubado, mas evoluindo bem, e o resultado para covid-19 ainda não foi informado.

Assine a nova newsletter do JC e fique bem informado sobre o coronavírus

Todos os dias, de domingo a domingo, sempre às 20h, o Jornal do Commercio divulga uma nova newsletter diretamente para o seu email sobre os assuntos mais atualizados do coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo. E como faço para receber? É simples. Os interessados podem assinar esta e outras newsletters através do link jc.com.br/newsletter ou no box localizado no final das matérias.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada

 

Comentários

Últimas notícias