testagem de vacina

Vacina de Oxford contra coronavírus será testada no Brasil; veja quem pode ser voluntário

No Brasil, as vacinas serão testadas no Rio de Janeiro e em São Paulo; os dois mil voluntários serão acompanhados durante três semanas

JC
Cadastrado por
JC
Publicado em 05/06/2020 às 17:19 | Atualizado em 05/06/2020 às 18:07
JAILTON JR./JC IMAGEM
Os primeiros testes no Brasil serão realizados em voluntários do Rio de Janeiro e São Paulo - FOTO: JAILTON JR./JC IMAGEM
Leitura:

A vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford será testada em dois mil brasileiros durante três semanas. Os testes acontecerão no Rio de Janeiro e em São Paulo. O Brasil é o primeiro País fora do Reino Unido que vai começar a testagem para a imunização contra o Sars-CoV-2.

» Vacina contra coronavírus desenvolvida em Oxford será testada no Brasil

A quantidade de voluntários será dividida entre Rio de Janeiro e São Paulo, mil em cada Estado.

Com o apoio do Ministério da Saúde, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou que o procedimento fosse conduzido no Brasil.

No Estado carioca, os testes serão realizados pela Rede D'Or São Luiz, com custo de cerca de R$ 5 milhões bancados pela Rede e sob coordenação do Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino (Idor). Os interessados devem procurar o Idor e perguntar como participar do experimento.

» Vacina contra o coronavírus deve ficar disponível em setembro, preveem cientistas de Oxford

Já em São Paulo, os testes terão financiamento da Fundação Lemann e os voluntários serão encaminhados pelo Centro de Referência para Imunológicos Especiais (Crie)da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), também responsável pela seleção.

Procedimento dos testes

Um dos pesquisadores da equipe do Idor e responsável pelos testes no Rio, Antonio Carlos Moraes, informou que o grupo se prepara para um esforço que deve durar até a última semana de junho, com a triagem e aplicação da imunização nos voluntários.

Antes, para seguir com o procedimento, os voluntários participantes serão submetidos a testes para confirmar que não foram infectados pelo coronavírus.

» Com brasileira na equipe, Oxford inicia terceira fase de vacina contra o coronavírus

Antonio Carlos afirmou que espera receber muitos voluntários interessados em participar da pesquisa, mas "primeiro, precisamos seguir as regras de segurança". Agora, por estar em maior contato com pacientes infectados, os profissionais de saúde serão prioridade para os testes.

A mesma regra também vale para São Paulo. Além dos profissionais de saúde que atuam na linha de frente de combate ao coronavírus, adultos entre 18 e 55 anos que também trabalham em ambientes de alto risco para exposição ao vírus poderão se inscrever.

» Oxford estende os ensaios clínicos de sua vacina contra coronavírus para crianças e idosos

Através de comunicado, a Unifesp explicou que motoristas de ambulâncias, seguranças que trabalhem em hospitais e agentes de limpeza de hospitais também poderão se inscrever. No entanto, o processo de recrutamento ainda não foi iniciado, mas "a previsão é de que os procedimentos no Brasil comecem ainda em junho", garantiu.

Acompanhamento dos voluntários

Moraes explicou que depois das três semanas, os voluntários serão acompanhados pela equipe durante um ano. Neste período, eles deverão ir cinco vezes ao centro de investigação, onde passarão por consultas, terão o sangue coletado e serão examinados para possíveis efeitos colaterais.

Ele também disse que depois de um ano da vacina nos voluntários, os resultados serão avaliados a partir de dois parâmetros. "Primeiro, a eficácia a partir da porcentagem de infectados; segundo, a segurança, porque não se justifica usar uma vacina que apresente mais riscos do que a própria doença", explicou.

» Oxford já prevê concluir pesquisa de vacina para coronavírus até agosto

O chefe do serviço de clínica médica do Hospital Copa D'Or informou que o procedimento é seguro, já que a vacina usa apenas parte da proteína que reveste o material genético do vírus, e não o vírus em si, e por isso não há o risco da duplicação do Sars-CoV-2 no paciente.

Vacina

Antonio Carlos afirmou que para ser um estudo válido, há uma série de protocolos e regras que devem ser seguidas por todos os centros de investigação. O uso de placebo em parte dos voluntários está entre eles. Isso significa que nem todo mundo receberá num primeiro momento essa dose da vacina contra o coronavírus.

Dos dois mil voluntários do Brasil, mil deve receber uma dose única da vacina desenvolvida pelos pesquisadores de Oxford, a ChAdOx1. Os outros mil serão vacinados por um placebo, tratamento sem ação contra os sintomas.

Reino Unido

No Reino Unido, os testes já começaram e estão com a previsão otimista de que fiquem prontos ainda em 2020. Um estudo pequeno em seis macacos resultou no início dos testes em humanos no final de abril.

No entanto, os testes têm apenas 50% de chance de sucesso nos humanos. O diretor do Jenner Institute de Oxforx, Adrian Hill, disse ter associado a farmacêutica AstraZeneca para desenvolver a vacina, e os resultados desta fase inicial podem não garantir a imunização eficaz; ele pede cautela.

Já aplicada em 10 mil voluntários no País britânico, a dificuldade para provar a possível eficácia está na dependência dos cientistas com relação a continuidade da circulação do vírus entre a população, para que os voluntários possam ser expostos ao Sars-CoV-2.

Comentários

Últimas notícias