Proteção

Vacina contra o coronavírus deve ficar disponível em setembro, preveem cientistas de Oxford

Testes em humanos já começaram a ser feitos

Douglas Hacknen
Douglas Hacknen
Publicado em 29/04/2020 às 19:09
Notícia
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
SÓ METADE Com atraso, Janssen chegou ao Brasil, mas só 50% das doses previstas vieram para o País - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

Cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, começaram a testar na última semana uma vacina contra o novo coronavírus (covid-19) em humanos. Caso a eficácia seja comprovada, doses devem ser disponibilizadas até setembro deste ano. Estima-se que cerca de 1.100 pessoas participarão do estudo. Metade receberá a fórmula contra o novo coronavírus e a outra parte tomará uma vacina amplamente disponível contra a meningite.

>> Brasil registra 449 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas

>> Pernambuco registra470 novos casos do coronavírus e mais 30 mortes; São6.194 infectados e538 óbitos

>> Em Pernambuco, 908 mil casas não têm acesso à internet por falta de dinheiro ou porque as pessoas não sabem usá-la

>> Com UTIs para coronavírus cheias em Pernambuco, conselho de medicina instrui priorizar quem tem mais chance de viver

Até agora, 550 participantes receberam a vacina e outros 550 receberam um placebo. Denominada de ChAdOx1 nCoV-19, a nova vacina é produzida a partir do material genético enfraquecida de um vírus do resfriado comum. Os pesquisadores adicionaram um material genético do coronavírus que é responsável pela produção das proteínas encontradas na superfície do Sars-CoV-2. A intenção é promover uma resposta imune do corpo a essa proteína, criando anticorpos capazes de proteger quem foi vacinado.

A avaliação será feita da seguinte forma: a equipe irá comparar o número de infecções pela covid-19 no grupo controle e no vacinado, neste caso, é necessário que alguns participantes do estudo desenvolva a doença. "Somos as únicas pessoas no país que desejam que o número de novas infecções permaneça alto por mais algumas semanas, para que possamos testar nossa vacina", afirmou Adrian Hill, um dos pesquisadores, em entrevista ao The New York Times.

Além dos EUA, o mundo realiza pesquisas para desenvolver vacina para o novo coronavírus. Mais de 100 projetos já foram iniciados.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://i.ytimg.com/vi/0yAfoUkyUUo/hqdefault.jpg', 'id_midia_tipo':'4', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'0yAfoUkyUUo', 'cd_midia':8120557, 'ds_midia_link': 'https://www.youtube.com/watch?v=0yAfoUkyUUo&feature=youtu.be', 'ds_midia': 'Corrida por vacina para Covid-19 se acelera

Com mais de 100 projetos iniciados e uma dúzia de ensaios clínicos, o mundo espera ter uma vacina eficaz contra a Covid-19 dentro de alguns meses. A doença que desencadeou pesquisas maciças em tempo recorde.', 'ds_midia_credi': 'AFP', 'ds_midia_titlo': 'Corrida por vacina para Covid-19 se acelera

Com mais de 100 projetos iniciados e uma dúzia de ensaios clínicos, o mundo espera ter uma vacina eficaz contra a Covid-19 dentro de alguns meses. A doença que desencadeou pesquisas maciças em tempo recorde.', 'cd_tetag': '10', 'cd_midia_w': '420', 'cd_midia_h': '315', 'align': 'Left'}

Por que tão rápido?

Os cientistas da universidade britânica já haviam desenvolvido uma tecnologia em trabalhos anteriores sobre inoculações para outros vírus. Entre os testados, estava incluído um parente próximo da covid-19, o coronavírus que provoca a Mers.

A velocidade dos resultados vai variar, dependendo dos números de transmissão do vírus na sociedade. Quanto mais gente infectada, mais rápido conseguirão um número suficiente de participantes.

"Se a transmissão continuar alta, podemos obter dados suficientes em alguns meses para ver se a vacina funciona, mas se os níveis de transmissão caírem, isso pode levar até seis meses", afirmaram os pesquisadores.

Comentários

Últimas notícias