Covid-19

Grupo invade hospital, derruba computadores e chuta portas em ala com pacientes do coronavírus no Rio

A mulher era parente dos envolvidos no tumulto e foi diagnosticada com suspeita de coronavírus, segundo a prefeitura

Agência Brasil Douglas Hacknen
Agência Brasil
Douglas Hacknen
Publicado em 12/06/2020 às 20:40
Notícia
PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO
Hospital do Rio registra tumulto após morte de paciente - FOTO: PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO
Leitura:

Um grupo provocou tumulto no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, referência no tratamento da covid-19 no Rio de Janeiro, na manhã de hoje (12). Segundo a prefeitura carioca, a confusão foi causada por cinco pessoas de uma mesma família depois da morte de uma mulher de 56 anos, vítima da doença, no local.

Segundo a prefeitura, a mulher era parente dos envolvidos no tumulto, e o grupo quebrou placas de sinalização e causou danos ao hospital.

>> Governadores do Nordeste condenam incentivo de Bolsonaro a invasão de hospitais e falam em perseguição política

Ainda de acordo com a prefeitura, guardas municipais, vigilantes e outros funcionários do Ronaldo Gazolla ajudaram a contornar a situação. Uma mulher envolvida no tumulto precisou ser medicada para se acalmar. A prefeitura informou que ninguém morreu durante o tumulto.

O médico da unidade e presidente do Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (Sindmed), Alex Telles, afirmou ao jornal O Globo que o grupo questionava o fato da parente deles ter morrido com suspeita de contágio pelo novo coronavírus.

>> Bolsonaro sugere que apoiadores invadam hospitais nos estados para filmar oferta de leitos

>> Interior de Pernambuco tem menos de 25% dos leitos de UTI para coronavírus da rede pública estadual

>> "Eu mesmo mostro para ele", diz Flávio Dino após Bolsonaro sugerir que seguidores entrem em hospitais para filmar oferta de leitos

"No final da manhã, um grupo de familiares ingressou no hospital, e eles não poderiam subir até o quinto andar, já que os familiares estão sendo atendidos no térreo. É uma área só com pacientes com Covid-19, com risco biológico 3. Eles entraram de maneira muito agressiva, porque uma familiar foi a óbito e eles não aceitavam a situação, diziam que a mãe estava bem ontem (quinta-feira) e perguntavam como ela morreu hoje. Infelizmente, é uma doença que tem um curso muito rápido", disse.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias