medicamento

Hidroxicloroquina não tem eficácia em casos leves e moderados de coronavírus, aponta maior estudo brasileiro sobre o remédio

A pesquisa foi publicado nesta quinta-feira (23) no 'The New England Journal of Medicine'

JC JC
JC
JC
Publicado em 23/07/2020 às 19:16
Notícia
GEORGE FREY/AFP
HIDROXICLOROQUINA Médico vai a julgamento e se declara culpado - FOTO: GEORGE FREY/AFP
Leitura:

Um estudo brasileiro, considerado o maior publicado até agora, apontou que a hidroxicloroquina não teve eficácia no tratamento de casos leves e moderados do novo coronavírus. A pesquisa, realizada em 55 hospitais privados do Brasil, foi publicada nesta quinta-feira (23) no 'The New England Journal of Medicine'. 

> OMS interrompe testes com hidroxicloroquina e lopinavir/ritonavir

> É urgente e necessário que hidroxicloroquina seja abandonada no tratamento da covid-19, diz SBI

> Em live, Jair Bolsonaro ergue remédio e apoiadores saúdam cloroquina

> Bolsonaro grava vídeo tomando hidroxicloroquina contra coronavírus, mas reconhece que não há eficácia comprovada

O estudo chamado de Coalizão covid-19 incluiu 667 pacientes com quadros leves ou moderados da doença e avaliou a eventual eficácia do medicamento contra a doença. 

Os pacientes que participaram da pesquisa foram distribuídos por sorteio em três grupos: um recebeu hidroxicloroquina, azitromicina e suporte clínico padrão; outro hidroxicloroquina e suporte clínico padrão; e o terceiro apenas suporte clínico padrão. O estudo mostrou que o status clínico após 15 dias foi similar nos três grupos.

Após o período indicado no estudo, estavam em casa sem limitações respiratórias 69% dos pacientes do grupo hidroxicloroquina + azitromicina + suporte clínico padrão; 64% dos pacientes do grupo hidroxicloroquina + suporte clínico padrão; e 68% dos pacientes do grupo que recebeu apenas o suporte clínico padrão.

Efeitos adversos

O estudo também apontou que, além da falta de eficácia, o medicamento demonstrou efeitos adversos entre os pacientes que utilizaram a hidroxicloroquina, com ou sem azitromicina, em comparação com o grupo que não utilizou o medicamento.

De acordo com os pesquisadores, foram identificadas alterações em exames de eletrocardiograma e alteração de exames que podem representar lesão hepática.

Coalizão covid-19

O Coalizão covid-19 ainda conduz outros oito estudos sobre o tema, incluindo um sobre a mesma droga no tratamento de casos ambulatoriais, ou seja, em casos mais leves da Covid-19.

O grupo é formado por Hospital Israelita Albert Einstein, HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, o Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).

Indicação do presidente 

Mesmo sem eficácia comprovada, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), testado positivo para doença, afirma que usa e indica o medicamento. No último domingo (19), Bolsonaro se encontrou com apoiadores e fez, mais uma vez, propaganda do medicamento. 

Comentários

Últimas notícias