ELEIÇÕES

Parlamentares pernambucanos criticam desfile militar em dia de decisão sobre voto impresso

Presidente Jair Bolsonaro já ameaçou a realização das eleições de 2022 se não houver voto impresso

Paulo Veras
Paulo Veras
Publicado em 09/08/2021 às 17:27
Notícia
AGÊNCIA BRASIL
O presidente Jair Bolsonaro defende o voto impresso e disse diversas vezes que houve fraude na própria eleição que o elegeu em 2018 - FOTO: AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

A decisão do governo federal de realizar um desfile de veículos militares blindados em Brasília no mesmo dia da votação da PEC que tenta instituir o voto impresso no País foi duramente criticado por parlamentares de Pernambuco.

A adoção do voto impresso tem sido mote de uma escalada no discurso do presidente Jair Bolsonaro, que já xingou ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e ameaçou a realização das eleições em 2022 se a mudança não for implementada.

"O povo não quer ver desfile de tanques de guerra. O povo quer vacina no braço, sem propina por dose comprada. Bolsonaro é uma tragédia, vergonha", escreveu no Twitter o senador Humberto Costa (PT), que integra a CPI da Covid.

Na mesma rede social, o deputado federal Wolney Queiroz, líder do PDT na Câmara, comparou o presidente a um ditador. "O desfile de blindados que Bolsonaro fará amanhã, em frente ao Congresso Nacional, é uma declaração de guerra à democracia", escreveu.

O movimento também foi condenado pelo deputado federal Renildo Calheiros, líder do PCdoB na Câmara. "Desde a redemocratização, nunca tivemos uma iniciativa dessas. É intolerável que o presidente tente intimidar o STF e a Câmara dos Deputados. Temos de nos unir com a sociedade civil, reforçar a defesa da democracia e combater ideias golpistas", publicou.

Vice-líder do Cidadania na Câmara, o deputado federal Daniel Coelho foi suscinto no comentário. "Fetiche com tanque é coisa de homem inseguro e medroso", escreveu

Roberto Jayme/Ascom/TSE
"O descarte de votos é tóxico para a democracia e para a legitimidade do sistema político-eleitoral" - FOTO:Roberto Jayme/Ascom/TSE

Comentários

Últimas notícias