Operação Castelo de Areia

CPRH encerra extração mineral ilegal no Agreste e apreende 170 animais

Intitulada Operação Castelo de Areia, a atividade teve como foco principal combater a extração ilegal de barro e areia

Marília Banholzer
Marília Banholzer
Publicado em 06/04/2018 às 17:50
Foto: divulgação CPRH
Intitulada Operação Castelo de Areia, a atividade teve como foco principal combater a extração ilegal de barro e areia - FOTO: Foto: divulgação CPRH
Leitura:

Terminou na tarde desta sexta-feira (6) uma operação realizada pelo Grupo de Fiscalização (GT) da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) com o objetivo de encerrar atividades clandestinas de extração ilegal de areia e barro em margens do Rio Ipojuca, no Agreste pernambucano. A ação que começou na segunda-feira (2) contou com a participação dos setores Florestal, Fauna e das Unidade de Conservação da CPRH, além de policiais da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma), da Polícia Militar.

Ao fim da operação foram apreendidos um caminhão, uma draga, um trator e diversas ferramentas que eram utilizados na extração mirenal clandestina. Pelo menos 170 animais silvestres – 155 aves e 15 jabutis - também foram encontrados durante a ação. Segundo a CPRH, algumas das autuações ainda serão processadas, mas o conjunto das já fechadas totalizam R$ 43 mil em multas. As atividades constatadas serão embargadas no processo de autuação.

Na fiscalização conjunta foram percorridas áreas dos municípios de Tacaimbó, São Caetano e Bezerros. Intitulada Operação Castelo de Areia, a atividade teve como foco principal combater a extração ilegal de barro e areia nas margens do Rio Ipojuca e outros possíveis danos ambientais na região. Crianças encontradas nos locais vistoriados receberam brinquedos da campanha Defensores do Meio Ambiente, de Educação Ambiental.

A extração mineral irregular era destinada à fabricação artesanal de tijolos. As atividades foram interrompidas de imediato e os trabalhadores orientados a retirar seus pertences para que seja iniciado o processo de recuperação da área ambiental. Os proprietários ainda estão sendo localizados para a autuação. Em Bezerros, durante deslocamento da equipe, foi constatado um desmatamento de vegetação nativa de cerca de dez hectares.

Animais apreendidos

A apreensão dos animais silvestres ocorreu nos três municípios fiscalizados. A maioria era de criação doméstica, mas um caso, indicativo de tráfico, chamou a atenção: o de um morador de Bezerros encontrado numa estrada com pássaros e gaiolas acopladas de armadilhas para caça.

Em sua casa, na sequência da ação, foram resgatados 54 pássaros de diversas espécies, todos já encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), no bairro da Guabiraba, no Recife, onde serão reabilitados e posteriormente devolvidos à natureza. A multa aplicada na autuação foi de R$ 27 mil. Outras duas multas, de R$ 3 mil cada, foram fixadas para outros dois moradores, após comprovação de denúncia de criação ilegal de animais silvestres.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias