Metereologia

Chuvas devem amenizar seca no Sertão a partir de outubro, diz Inmet

De acordo com o Instituto, período de chuvas abundantes na região terminou em abril. Tendência do inverno é de mais meses de seca severa

Milton Raulino
Milton Raulino
Publicado em 07/05/2012 às 12:15
Foto: Marcos Michael/JC Imagem
De acordo com o Instituto, período de chuvas abundantes na região terminou em abril. Tendência do inverno é de mais meses de seca severa - FOTO: Foto: Marcos Michael/JC Imagem
Leitura:

O primeiro semestre de 2012 está sendo uma época difícil para o interior pernambucano. Quarenta e nove municípios, sendo 38 no Sertão e 11 no Agreste, decretaram estado de emergência devido a escassez de chuva. O resultado da seca foi a perda de 100% da produção agrícola em lavouras de milho e feijão, segundo informou o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA). No entanto, o cenário nos próximos meses não será mais animador para a região. De acordo com o Instituto de Metereologia em Pernambuco (Inmet-PE), as chuvas só devem amenizar a situação do interior a partir de outubro.

Segundo o chefe da Seção de Previsão do Tempo do Inmet-PE, Ednaldo Araújo, o período de inverno no Sertão é ainda mais severo que o do verão. "O normal histórico da região é de chuvas mais abundantes entre o fim setembro até abril ou maio. Pra se ter uma ideia, nas cidades de Petrolina e Cabrobó, por exemplo, entre os meses de maio e agosto, a previsão de chuvas é de apenas 46,6 e 64mm, respectivamente", explica Ednaldo. "Pode ser que agora em maio ou em um mês isolado chova um pouco mais, porém a previsão é de pouquíssima chuva no interior até outubro", complementa.

Na região litorânea, o cenário não é grave como no interior, embora também tenha registrado chuvas abaixo do normal. Entre os meses de janeiro, fevereiro, março e abril, só choveu 583,2mm, 68,5% do índice regular. "Em abril, só choveu 55m dos 337 previstos. Isso mostra que os índices estão realmente baixos. Nossa previsão é de 1.084mm para o litoral nos próximos três meses, mas nada é garantido", afirma o metereologista.

Ainda de acordo com o chefe de previsão de chuvas, o comportamento atípico das chuvas no Nordeste acontece devido à baixa temperatura do Oceano Atlântico. "Com as águas menos quentes, as frentes frias que vêem do Sul não se precipitam ao chegarem ao Nordeste. Logo, temos poucas chuvas. Só atingiremos os níveis normais caso a temperatura dos mares se eleve", diz Ednaldo, que revela que, durante o inverno, pode chover até 40% menos do que o esperado.

O Inmet divulgou que, apesar do último final de semana ter sido chuvoso, o restante desta semana deve apresentar tempo predominantemente ensolarado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias