cabo de santo agostinho

Ex-padre é preso com 176 quilos de maconha em Pontezinha

Além do padre, o casal Joselin Joana de Oliveira e Eduardo José dos Santos foram autuados por tráfico de drogas e associação para o tráfico

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 21/11/2014 às 16:41
Foto: Bianca Bion/JC
Além do padre, o casal Joselin Joana de Oliveira e Eduardo José dos Santos foram autuados por tráfico de drogas e associação para o tráfico - FOTO: Foto: Bianca Bion/JC
Leitura:

Atualizada às 19h57

Foram apreendidos 176 quilos de maconha com um ex-padre dentro Igreja de São Judas Tadeu, em Pontezinha, Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife. O material estava escondido no altar, perto de imagens de santos. O religioso Mário Roberto Gomes de Arruda, 44 anos, e o casal Joselin Joana de Oliveira, 20 anos, e Eduardo José dos Santos, também 20 anos, foram presos e apresentados pelo Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc). Eles recebiam e distribuíam a droga. Além da maconha, foram apreendidos um revólver calibre 32 e a carteira de autoridade eclesiástica do ex-padre.

O ex-padre, Joselin e Eduardo foram autuados por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Além dessas acusações, o ex-padre também foi autuado por porte ilegal de arma de fogo. O bispo da Igreja de Nossa Senhora da Conceição no Jordão, Zona Sul do Recife, superior da Igreja de São Judas Tadeu, alegou que Mário Roberto o ameaçou, dizendo que se ele o tirasse da paróquia de Pontezinha, atiraria no bispo.

Mário Roberto informou a polícia que não saberia reconhecer o traficante que forneceu a maconha. A polícia disse que esta foi a segunda vez que Mário recebeu a droga na igreja. Esta não foi uma ação isolada, pois é investigado o tráfico de drogas na região. Segundo o Denarc, essa é a maior apreensão da droga no ano. Os dois homens foram encaminhados para o Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, e a mulher para o Bom Pastor.

O ex-padre veio a Pernambuco após ser expulso, há 2 anos e 2 meses, da Igreja Católica Apostólica Romana de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Aqui, ele entrou em contato com a Igreja Católica Apostólica Brasileira e pediu permissão para atuar na paróquia, já que ele e a família são de Jaboatão dos Guararapes.

Os fiéis da Igreja de São Judas Tadeu disseram que o ex-padre costumava se apresentar bêbado. Há sete meses, ele acabou expulso também da Igreja Brasileira, por incontinência, desobediência e maus hábitos. Após a expulsão, o ex-padre se recusou a deixar a igreja e continuou morando no local. Nesta quinta-feira (20), chegou a ordem de despejo, quando a droga foi encontrada.

Segundo a população de Pontezinha, Mário e Eduardo matinham um relacionamento. A igreja recebeu informações de que o padre é homossexual, mas não comprovou.

O ex-padre montou, após a expulsão da Igreja Brasileira, a Associação da Ordem Beneditina Missionária, através da Igreja Católica Apostólica Americana, submetida a uma igreja em Vitória da Conquista, na Bahia.

A Arquidiocese de Olinda e Recife emitiu uma nota de esclarecimento sobre o caso:

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias