Homenagem

Viúva de Naná se emociona na inauguração da estátua do músico

Patrícia Vasconcelos afirmou que o marido foi imortalizado na escultura erguida no Marco Zero

JC Online
JC Online
Publicado em 22/02/2017 às 23:43
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
FOTO: Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

No Marco Zero, local em que tantas vezes o percussionista Naná Vasconcelos se apresentou, foi erguida uma estátua de mais de 4 metros em sua memória. A inauguração foi no início da noite desta quarta-feira (22), e contou com a presença de familiares, amigos e dos batuqueiros com quem ele dividiu o palco durante 16 edições da abertura do Carnaval do Recife. Patrícia Vasconcelos, viúva de Naná, falou sobre a emoção de vivenciar a homenagem ao companheiro. 

"Este é um momento de muita emoção para mim. É um momento de fortalecimento do que Naná aprontou aqui, neste espaço onde ele trabalhou as diferentes comunidades, onde ele se preocupou com o outro, com a música, com o mundo. Naná aqui está imortalizado”, afirmou. Naná faleceu em março de 2016, vítima de um câncer de pulmão.

Patrícia disse ainda que o maior legado deixado pelo marido é o da humildade. "Uma das mensagens que Naná deixou é a da humildade de juntar diferentes tipos de comunidades, musicalidade, e ouvir o outro. Depois de Naná, eu vejo que os mestres, que as nações cresceram, aprenderam. O caminho de Naná é de sabedoria e aprendizado", cravou.

Luz Morena, filha de Naná, disse ter ficado surpresa com a beleza da obra do escultor Demétrio Albuquerque. Sempre ao lado da mãe, a jovem afirmou que fez questão de acompanhar toda a produção da cerimônia de abertura deste que será o seu primeiro Carnaval sem o pai. “Fizemos questão de vir para cá para deixar tudo do jeito que ele gostaria. Mesmo sem a presença física, a gente sabe que ele está presente espiritualmente. Está sendo incrível”, comentou.

Ensaio geral

Após a inauguração da escultura, cerca de 600 batuqueiros de 13 nações de maracatu se uniram aos cantores Lenine e Virgínia Rodrigues, ao coral Voz Nagô e à orquestra do maestro Edson Rodrigues para o ensaio geral da abertura do Carnaval 2017 do Recife. Desta vez já com recursos multimídia e iluminação inseridos nas apresentações, os ajustes necessários para o espetáculo de sexta foram feitos.

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

 

Lenine subiu ao palco com o Coral Voz Nagô pouco depois das 21h. O cantor repassou as músicas Lavadeira do Rio e A Ponte, de sua autoria, e a canção Loa, de Naná.

Últimas notícias