CIBERCRIME

'Baleia Azul é uma forma de banalizar a violência', diz especialista

Pesquisador da área de dependências tecnológicas alerta que atividades como Baleia Azul não deveriam ser consideradas um jogo

Da Editoria de Cidades
Da Editoria de Cidades
Publicado em 18/04/2017 às 12:58
Tato Rocha/JC Imagem
Pesquisador da área de dependências tecnológicas alerta que atividades como Baleia Azul não deveriam ser consideradas um jogo - FOTO: Tato Rocha/JC Imagem
Leitura:

Atividade praticada em comunidades fechadas nas redes sociais, Baleia Azul (que ficou popularmente conhecida como um jogo) leva a polícia a investigar essa prática, que pode estimular a automutilação e provocar comportamentos suicidas, especialmente entre adolescentes. O psicólogo Igor Lins Lemos, pesquisador da área de dependências tecnológicas, destaca que atividades virtuais desse tipo deveriam ser censuradas. “Para quem tem algum tipo de transtorno mental, isso é um campo aberto para ocorrência de problemas. Baleia Azul é uma forma de se banalizar a violência”, alerta Igor, que é mestre e doutor em Neuropsiquiatria e Ciências do Comportamento pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

O especialista reforça que esse tipo de prática não deve ser caracterizada como jogo. “É incorreto a forma de denominar esse tipo de estratégia sádica que colocaram na internet. Jogo é tudo aquilo que tem um caráter lúdico, de entretenimento, de conquistas. E mesmo esse tipo de atividade, que se apresenta com um tipo de passo a passo do que deve ser feito em níveis, pode ser tudo, menos um jogo”, explica o psicólogo.

Apesar de não ter acessado o Baleia Azul, o psicólogo tem se preocupado com estratégias que levam pessoas, especialmente aquelas emocionalmente mais vulneráveis por apresentarem algum transtorno psiquiátrico, a praticarem autolesões. Para esse grupo de pacientes, atividades desse tipo podem influenciar a ocorrência de comportamento suicida. “A intenção do ‘jogo’ é estimular algo problemático, quase como um tipo de desafio para quem está seguindo as regras. E como as pessoas são estimuladas a fazer algo mais difícil, elas se sentem pertencentes a um grupo. Para quem tem grande dificuldade na relação interpessoal e não tem rede de apoio, a internet é um ‘local’ susceptível a tragédias”, alerta Igor Lins Lemos.

PREVENÇÃO

Como forma preventiva, o especialista sugere que a família converse sempre com as crianças e os adolescentes. “Indico o controle parental (uso de programas ou vigilância para monitorar e seguir as atividades online nessa faixa etária) para que os pais tenham ideia do que os filhos visualizam e fazem na internet, além de ter acesso ao histórico (de pesquisas feitas na web). É preciso também conversar sobre o assunto.”

O depoimento do psicólogo reforça o alerta da Polícia Federal, que orienta a importância de os pais atraírem a confiança dos filhos através do diálogo franco e aberto sem repressão, a fim de que a criança ou o adolescente possa, diante do primeiro sinal de perigo, sentir-se à vontade e procurar a ajuda da família, confidenciando possíveis problemas. A polícia ainda reforça que os pais devem ficar atentos a comportamento estranhos dos filhos, como isolamento, tristeza e quadros depressivos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias