INVESTIGAÇÃO

Homem é indiciado por furtar mala de dentro de avião no Recife

O suspeito ficará à disposição da Justiça Federal porque o crime ocorreu dentro de uma aeronave

Anderson Nascimento
Anderson Nascimento
Publicado em 29/01/2018 às 15:04
Foto: Divulgação/Polícia Civil
O suspeito ficará à disposição da Justiça Federal porque o crime ocorreu dentro de uma aeronave - FOTO: Foto: Divulgação/Polícia Civil
Leitura:

Um representante comercial foi indiciado pela Polícia Civil por furtar uma mala de dentro de um avião. O caso ocorreu em um voo que partiu de São Paulo com destino ao Recife, no dia 10 de novembro do ano passado. André Luiz Francisco da Silva, de 36 anos, foi autuado pelo crime de furto e ficará à disposição da Justiça Federal, já que o crime ocorreu dentro de uma aeronave.

Segundo a Polícia Civil, a lista de voo foi solicitada junto à companhia aérea e cada passageiro foi checado, um a um. O verdadeiro proprietário da bagagem é um empresário que reside no Recife. Ele sentiu falta do objeto ainda dentro do avião no momento do desembarque na capital pernambucana. A vítima foi orientada pelos comissários de bordo a procurar a bagagem no saguão do Aeroporto Internacional do Recife, onde viu o suspeito em posse dela e o abordou para recuperar seu pertence. Momento gravado em vídeo por um funcionário da companhia aérea.

"O suspeito alegou que não havia vaga para guardar a mochila dele, ele retirou essa a mala que estava no compartimento acima da poltrona em que ele estava sentado e pediu orientação à equipe de bordo. Segundo ele, disseram que ele poderia despachar a mala internamente em outra seção da aeronave, mas a versão foi confrontada, porque na realidade não existe esse padrão de procedimento. Ele simplesmente se apropriou de uma mala que não era dele, tanto é que foi ao banheiro descartou os itens que não tinha intenção de ficar e saiu do avião com a mala", relatou Verônica Azevedo, delegada responsável pela investigação.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias