COMÉRCIO ILEGAL

Galpão onde era vendido combustível ilegal é encontrado em Jaboatão

Três pessoas foram presas e uma foi liberada após pagar a fiança

JC Online
JC Online
Publicado em 04/10/2018 às 19:53
Foto: Reprodução/ Google Street View
Três pessoas foram presas e uma foi liberada após pagar a fiança - FOTO: Foto: Reprodução/ Google Street View
Leitura:

Um galpão onde era armazenado e comercializado combustível de forma ilegal foi localizado nessa quarta-feira (3), na zona rural de Jaboatão dos Guararapes, na divisa com o município de Moreno, ambos no Grande Recife.Três pessoas foram presas e uma foi liberada após pagar a fiança.

Policiais da Delegacia de Polícia de Roubos e Furtos de Carga realizaram uma campana próximo ao galpão, onde flagraram a chegada de um caminhão-tanque. O motorista retirou do veículo o combustível e o colocou em bombonas - recipientes de plástico resistente - que posteriormente seriam revendidas aos donos do galpão.

De acordo com o delegado Edmilson Batista, titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas, o caminhão estava seguindo em direção à Paraíba. "O caminhão tinha como destino final o estado da Paraíba, no entanto, o motorista desviou a rota para vender parte do combustível aos donos desse galpão", disse.

No local foi encontrado, além das bombonas, mangueiras e um tanque com capacidade de 5 mil litros de combustível. Após a chegada do caminhão-tanque, um comprador foi ao local para adquirir o combustível clandestino, vendido por um preço menor que o do mercado. 

Prisões

O consumidor foi autuado por tentativa de receptação - quando o indivíduo sabe que o produto a ser comprado é ilegal - e liberado após pagar fiança. Já os proprietários do galpão, Renato José Gouveia Guedes e Renan Lira Guedes, foram autuados por receptação qualificada - quando alguém compra um material roubado para comercializar; e crime contra ordem econômica, criado pela lei de estoque de combustíveis.

O motorista, identificado como Evandro Ricardo da Silva, foi autuado por autuado por apropriação indébita majorada pela profissão - que consiste no apoderamento de coisa alheia móvel, sem o consentimento do proprietário - e também por crime contra a ordem econômica.

Os três foram encaminhados para audiência de custódia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias