Saúde

PE é 1º no N/NE em transplantes de coração, rim, medula e pâncreas

Balanço foi divulgado pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) e é referente aos três primeiros meses deste ano

Ciara Carvalho
Ciara Carvalho
Publicado em 25/05/2017 às 9:36
Foto: JC Imagem
Balanço foi divulgado pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) e é referente aos três primeiros meses deste ano - Foto: JC Imagem
Leitura:

Na Semana Estadual de Incentivo à Doação de Órgãos, uma boa notícia para o Estado. Pernambuco ficou em 1º lugar no Norte e Nordeste em número de procedimentos de transplantes de coração, rim, medula óssea e pâncreas. Balanço divulgado pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) é referente aos três primeiros meses deste ano. Além disso, o Estado é o 2º no Brasil em coração e medula óssea, subindo uma posição em relação ao balanço anterior.

Entre janeiro e março deste ano, Pernambuco foi responsável por 14 transplantes de coração e 52 de medula óssea, ficando atrás apenas de São Paulo nesses dois tipos de procedimento. No Norte e Nordeste, o Estado fica em primeiro lugar nos transplantes de rim (72) e de pâncreas (3). Nesse último caso, é um transplante duplo, feito juntamente com rim.

"É muito importante recebermos essa notícia exatamente durante a Semana Estadual de Incentivo à Doação de Órgãos. Isso mostra que estamos acertando na condução do nosso trabalho de sensibilização e capacitação das equipes de saúde dos hospitais com perfil para notificação de possíveis doadores. A doação de órgãos e tecidos é um ato de amor e solidariedade que salva vidas. Precisamos estar constantemente informando e ajudando a população a entender e tomar sua decisão sobre esse ato”, afirma a coordenadora da Central de Transplantes de Pernambuco (CT-PE), Noemy Gomes.


"Apesar do dado animador, mais de 1,1 mil pessoas em Pernambuco estão na fila de espera por um órgão ou tecido. No Brasil, apenas familiares de até segundo grau podem autorizar a doação, sendo imprescindível levar essa conversa para o núcleo familiar", reforça Noemy.


A coordenadora ainda lembra que algumas doações podem ser feitas em vida, como a de medula óssea. "Quem tiver interessado em ser doador de medula deve procurar uma unidade do Hemope para fazer o cadastro e uma pequena coleta de sangue, para os testes de compatibilidade. Com isso, o cadastrado pode ajudar alguém de qualquer parte do Brasil, se houver compatibilidade", pontua a coordenadora da CT-PE.


TRANSPLANTES EM 2017

Entre janeiro e abril de 2017, Pernambuco realizou 553 transplantes. O quantitativo é 20,22% maior do que o mesmo período de 2016, com 460 procedimentos. Ao todo, foram transplantados 304 córneas, 115 rins, 67 medula óssea, 41 fígados, 20 corações, 3 rim/pâncreas, 3 válvulas cardíacas e 1 fígado/rim.
O maior percentual de aumento foi no número de corações transplantados, que saiu de 10, no mesmo período de 2016, para 20 este ano, uma ampliação de 100%. Em seguida, há um aumento de 31% em rim – de 88 para 115 – e de 21% em córnea – de 251 para 304.


Quando analisados apenas o conjunto de órgãos sólidos (coração, fígado, rim e rim/pâncreas), o aumento no número de transplantes foi de 31,6%, com 136 procedimentos em 2016 e 179 este ano.

FILA DE ESPERA

Atualmente, 1.179 pessoas estão à espera de um órgão ou tecido. A maior fila é por um rim (805), seguido de córnea (259), fígado (66), medula óssea (37), coração (9) e rim/pâncreas (3).

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias