'Tá no Ar: A TV na TV' volta em quarta temporada sem muitas novidades

Estreia oficial acontece no próximo dia 24 de janeiro

Foto: Gshow/Divulgação
Estreia oficial acontece no próximo dia 24 de janeiro - FOTO: Foto: Gshow/Divulgação

A equipe do Tá no Ar: A TV na TV sabe que está "bem na fita" na Globo. O programa, que estreia sua quarta temporada no próximo dia 24, depois do Big Brother Brasil 17, é sucesso de crítica e figura sempre entre os assuntos mais comentados das redes sociais quando é exibido. Talvez por isso os autores Marcius Melhem e Marcelo Adnet e o diretor Maurício Farias não queiram mexer muito no formato - que se destaca, principalmente, pelas altas doses de irreverência e transgressão. 

Além dos quadros fixos 'Balada Vip', 'Jardim Urgente', 'Militante Revoltado' e 'Te Prendi na TV', a abertura ganha a interpretação de Lulu Santos para a música Televisão e participações especiais de nomes como Regina Duarte, Sandy e Angélica estão confirmadas. Uma enquete, denominada 'Quem é a Celebridade Misteriosa?', movimenta os 11 episódios, assim como um reality show da hilária família Karlakhian. 

"A gente explora a TV, então tudo que se destaca ali ou que chama a nossa atenção serve de inspiração", diz Marcius Melhem. 

TRABALHO AUTORAL

O desejo por um trabalho cada vez mais autoral segue em alta. E não há, por parte da equipe, medo de exceder limites. "Tudo que criamos para a primeira temporada foi exibido exatamente como fizemos. A partir dali, percebemos que abrimos uma estrada interessante para explorar", garante Maurício Farias. 

No vídeo de apresentação divulgado à imprensa, há um esquete sobre as ocupações escolares, por exemplo. "Não se trata de defender aluno ou polícia, a questão é que acreditamos que o estudante precisa ser ouvido", resume Adnet, que recebe diversas críticas na internet. "As pessoas estão cada vez mais reativas às opiniões dos outros. Há uma criminalização da arte, que vê o artista como vagabundo e acha que não precisamos de cultura, e, sim, de mais armas, tiros e mortes de bandidos", desabafa, sem perder a chance de fazer piada com a situação. "Só estou aqui porque estou apoiando uma revolução comunista e ganhando muito dinheiro para implantar no Brasil o 'bolivarianismo'. O governo de Cuba me paga, não é a Globo. A emissora, aliás, é ligada a Cuba e ao PSOL. O brasileiro finalmente está entendendo que a Globo é um braço do PSOL. E eu faço parte disso, me alimento da (lei) Rouanet", brinca.

O elenco é o mesmo desde a primeira temporada. Cada episódio tem de 30 a 40 cenas diferentes, com todos se revezando. Além de Marcius Melhem e Marcelo Adnet, estão na lista Danton Mello, Luana Martau, Carol Portes, Georgiana Goes, Marcio Vito, Maurício Rizzo, Renata Gaspar, Veronica Debom e Welder Rodrigues Marcius e Adnet acumulam as funções de atores e redatores finais, mas a equipe de roteiristas conta ainda com Alexandre Pimenta, Angélica Lopes, Daniela Ocampo, Leonardo Lanna, Thiago Gadelha, Wagner Pinto e Maurício Rizzo.

As famosas paródias do 'Tá no Ar: A TV na TV', que fizeram bastante sucesso principalmente na internet, também se mantêm com destaque. Em uma delas, ainda sem data prevista para ir ao ar, Marcelo Adnet se caracteriza como Caetano Veloso e canta uma versão de 'Qualquer Coisa', em que critica a ditadura militar com frases como "Mexe no refrão e corta coisa" e "Se hoje a gente apanha, nem assim a gente para, ninguém para nem se acanha". 

"A gente faz, em média, um clipe para acabar cada programa. Mas como alguns são de 'pot-pourri', entre paródias e originais, escrevemos umas 20 letras por temporada", explica Adnet. 

As gravações dos áudios são feitas em um estúdio na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, do compositor e produtor musical Marcio Lomiranda. Depois, na Globo, Marcelo Adnet canta de novo, mas por cima do som - que já leva sua voz. "É melhor para a sincronização ficar verdadeira. Quando a gente canta, não mexe só a boca, como acontece em dublagens. Faço isso desde a MTV porque o resultado é bem mais real", explica Adnet.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias