Paul McCartney relembra John Lennon em protesto contra armas nos EUA

O músico participou de uma das diversas manifestações contra a venda de armas nos EUA no último sábado (24) em Nova York, onde Lennon foi assassinado

EDUARDO MUNOZ ALVAREZ / AFP
O músico participou de uma das diversas manifestações contra a venda de armas nos EUA no último sábado (24) em Nova York, onde Lennon foi assassinado - FOTO: EDUARDO MUNOZ ALVAREZ / AFP

O cantor Paul McCartney participou de uma das diversas manifestações contra a venda de armas nos Estados Unidos no último sábado, 24, e relembrou seu ex-companheiro de Beatles, John Lennon, para justificar sua presença, em entrevista ao canal de notícias CNN.

"O que você espera que seja conquistado?", pergunta o repórter. Em silêncio, Paul apenas abre seu casaco e mostra a camiseta que está usando com a frase: "Nós podemos acabar com a violência armada". 

"Você acha que isso pode ocorrer a nível legislativo? Nós vimos isso acontecer a nível estadual em lugares como a Flórida e aqui, em Nova York...", perguntou novamente o jornalista. "Sabe, eu sou como todo mundo, eu não sei. Mas isso é o que podemos fazer, então estou aqui para fazer isso. Um dos meus melhores amigos foi assassinado por violência armada bem aqui perto, então isso é importante pra mim", respondeu o cantor, em alusão à morte de John Lennon.

Happy to be marching against gun violence. #marchforourlives #wecanendgunviolence #neveragain #everytown

Uma publicação compartilhada por Paul McCartney (@paulmccartney) em

John Lennon

A manifestação na qual Paul esteve presente ocorreu em Nova York, mesma cidade em que Lennon foi assassinado por Mark Chapman com cinco tiros de uma pistola calibre 38.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias