Ícone

Rogéria sobre sua sexualidade: 'Não abro mão de minha porção homem'

Estrela do documentário 'Divinas Divas', a artista fala sobre passado, presente e futuro

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 22/06/2017 às 11:56
Reprodução
Estrela do documentário 'Divinas Divas', a artista fala sobre passado, presente e futuro - FOTO: Reprodução
Leitura:

Ao longo de sua longeva carreira, Rogéria se firmou como um ícone da cultura brasileira. Autointitulada "a travesti da família brasileira", a artista venceu o preconceito e atravessou gerações apresentando sua arte. Estrela do documentário Divinas Divas, dirigido por Leandra Leal, ela falou sobre sua vida e carreira em entrevista.

Entre os pontos tocados na conversa está sua transformação de Astolfo, seu nome de batismo, para Rogéria, assim como sua relação com a sexualidade e o preconceito da sociedade brasileira. 

CONFIRA A ENTREVISTA

Como Astolfo virou Rogéria?

Já era transformista, estava em Paris. Aquilo é muito seco, meu cabelo virou uma juba. Já me sentia fêmea, mas, quando veio o cabelo - loira, poderosa -, foi um escândalo. Virei Rogéria.

E se despediu do Astolfo?

Nunca. Sempre teve gente querendo que eu me livrasse dele. Gosto muito do meu lado homem. Nunca quis operar.

Nunca sofreu discriminação?

Nunca deixei, e quando tentavam o Astolfo reagia. Quando criança, não sofria bullying porque eu fazia bullying nos meninos. Só sofri por amor.

E ser a travesti da família?

Uma vez, um senhor chique, com toda a família, me cumprimentou na rua dizendo - "Nós te amamos." Esta semana, aqui em São Paulo, botei tênis, fui ao super e tive de fazer um monte de selfie. Atinjo todas as classes. Sou amada.

Você já foi criticada por não militar na causa LGBT...

E respondo: mas que militância? Sou a causa e, se essa gente toda está na rua, foi porque nós do filme abrimos caminho.

Uma pergunta bem íntima - xixi sentada ou de pé?

Depende. Sou geminiano com ascendência em leão. Quando urino de pé, sempre levanto a tampa. Homem é porco. Mulher é mais asseada Aprendi com minha mãe.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias