copa do mundo

Guardado, do México, dispara contra Neymar: 'Gosta mesmo de se jogar'

México e Brasil se enfrentam pelas oitavas de finais da Copa do Mundo da Rússia

JC Online
JC Online
Publicado em 29/06/2018 às 9:54
YURI CORTEZ / AFP
México e Brasil se enfrentam pelas oitavas de finais da Copa do Mundo da Rússia - FOTO: YURI CORTEZ / AFP
Leitura:

"Ele gosta mesmo de se jogar, o árbitro tem de julgar", disse um dos principais jogadores da seleção mexicana, Andrés Guardado, sobre Neymar, nesta sexta-feira (29), em Moscou, a três dias da partida das oitavas de final da Copa do Mundo contra o Brasil em Samara.

"Todos conhecemos ele, não cabe a mim julgá-lo... Mas agora com o VAR (assistente de vídeo para a arbitragem) eles têm que ver, saber administrar. Ele gosta de exagerar as faltas, se jogar muito, é seu estilo. O árbitro tem que julgar e, de certa maneira, acabar com isso", comentou Guardado sobre camisa 10 do Brasil.

Nesta sexta-feira, o México treinou nas instalações do Dínamo de Moscou. Ao contrário da véspera, quando os titulares ficaram no ginásio, desta vez o técnico Juan Carlos Osorio fez uma sessão no gramado com todos os jogadores. Antes, Guardado, que esteve acompanhado pelo goleiro reserva Alfredo Talavera na entrevista coletiva, analisou o momento da equipe, depois de duas vitórias e uma derrota para a Suécia na terceira rodada.

"Um dia somos os melhores, outro dia os piores. Estamos acostumados com este tipo de situação. Passamos no grupo mais difícil do Mundial e ninguém dava nada pela gente. Mas não estamos contentes com a derrota, tínhamos na mão sermos os primeiros do grupo", lamentou o jogador do Betis. "Mas dizem que se aprende mais com as derrotas do que com as vitórias, porque mostra tudo de ruim. A partida contra a Suécia nos deu uma grande lição, por jogar contra esse estilo de jogo", acrescentou.

'A partida das nossas vidas'

Sobre o Brasil, Guardado acredita que é um rival com estilo de jogo semelhante ao mexicano e enxerga o duelo contra a seleção pentacampeã como o maior do time asteca. "É a partida das nossas vidas. Também nunca tínhamos vencido da Alemanha em um Mundial, então, vamos agarrar isso, fazer história. Mas tudo isso é estatística e não entra em campo", afirmou, referindo-se às quatro partidas entre Brasil e México na história das Copas, com três vitórias brasileiras e um empate.

"O que nos motiva não é que seja a partida para entrar na história. Nos motivam as oitavas de final, com o Brasil à frente e a uma vitória de jogar a quinta partida (pelas quartas). É o melhor cenário possível. Quer maior motivação do que jogar a partida das nossas vidas contra o pentacampeão?", disse.

Guardado contou ainda que os jogadores mexicanos brincaram sobre como os jornais teriam tratado uma disputa contra a Suíça, que aconteceria se o México tivesse terminado no primeiro lugar da chave. "Brincando, dissemos que, se ganharmos (do Brasil) e chegarmos à quinta partida, não vai ter desculpa. Se tivéssemos sido os primeiros, nos teriam dito 'ah era a Suíça...', somos assim", completou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias