AUDIÊNCIA

Após segunda audiência, acordo entre Sport e Magrão fica próximo

Advogados saem otimistas de chegarem a um denominador comum

Filipe Farias
Filipe Farias
Publicado em 28/06/2019 às 16:23
Notícia
Foto: Filipe Farias/ editoria de Esportes JC
Advogados saem otimistas de chegarem a um denominador comum - FOTO: Foto: Filipe Farias/ editoria de Esportes JC
Leitura:

Uma segunda audiência de conciliação envolvendo o caso Magrão aconteceu na tarde desta sexta-feira (28), na 10ª Vara do Trabalho do Recife. Porém, ao contrário do que era esperado, o acordo acabou não sendo firmado entre as partes. O que não quer dizer que não possam chegar num denominador comum nos próximos dias e pôr fim ao processo jurídico.

Diferente da primeira a audiência, nesse segundo encontro, o clima foi menos amistoso. A parte do Sport, representada pelo advogado Eduardo Coimbra e pelo vice-presidente jurídico Marcos Cabral, iniciou a sessão jurídica argumentando bastante com a Juíza substituta Dra. Maria Carla Dourado de Brito Jurema - que acabou ficando com o caso, já que a Juíza Titular Dra. Ana Isabel Guerra Barbosa Koury deixou o caso alegando suspeição. Já o advogado de Magrão, Leonardo Laporta, mostrava uma postura defensiva, demonstrando não concordar com o que estava sendo exposto - em termos de números.

>> Veja o especial sobre Magrão

Antes de a audiência começar, o próprio Laporta afirmou que "se o Sport não aumentasse o valor da proposta e chegasse ao que está sendo exigido por Magrão, não teria acordo". E, lá dentro, via-se esse embate. A reportagem do Jornal do Commercio mais uma vez esteve presente e constatou o cenário. Tanto que, ao contrário da primeira audiência, Laporta mal utilizou o celular para falar com Magrão. Sinal de que já estava convicto do número mínimo exigido para selar o acordo e retirar a ação judicial.

Em determinado momento, a Juíza substituta Dra. Maria Carla Dourado de Brito Jurema pegou a calculadora para apresentar os números que seriam de um possível acordo. Foi possível ouvir pelo JC a discussão entre as partes sobre em quantas vezes seria o parcelamento para firmar acordo (pelo que apuramos, foi proposto em 40 parcelas).

 

 

Sem chegar a um denominador comum, a audiência terminou às 14h40, mas as duas partes saíram confiantes de um desfecho positivo. "Estamos conversando sobre valores. Está bem próximo de um acerto, mas ainda tem de ter a aprovação do presidente e também tenho de falar com o Magrão. Mas estamos empanhados, o poder judiciário está ajudando muito. É preciso ver as condições de pagamento, mas temos grandes condições de finalizar de forma salutar para todos. Faltando bem pouco", disse Leonardo Laporta, advogado de Magrão.

O vice-presidente jurídico do Sport, Marcos Cabral, seguiu a mesma linha de otimismo. "Continuamos em negociação e dizendo que o Sport está disposto a um acordo. Os valores estamos ajustando, pois isso requer paciência. Não é simplesmente dar um número e fechar o acordo. Precisamos ter mais diálogos para chegar a um acordo justo e certo para ambas as partes. Esperamos um bom desfecho para todos", comentou o dirigente rubro-negro.

SEQUÊNCIA

A partir de agora, o processo segue o seu rito normal. Se chegarem a esse denominador comum, as partes informam na 10ª Vara do Trabalho do Recife para que o acordo possa ser homologado no sistema. Caso contrário, a próxima audiência acontece no dia 25 de setembro e, nesse caso, Magrão será obrigado a comparecer na audiência.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias