COBRANÇA

Thyere revela que se cobra para marcar um gol pelo Sport nessa Série B

Nenhum zagueiro marcou um gol pelo time rubro-negro ao longo da competição

Filipe Farias
Filipe Farias
Publicado em 20/11/2019 às 10:04
Notícia
Foto: Anderson Stevens/ Sport
Nenhum zagueiro marcou um gol pelo time rubro-negro ao longo da competição - FOTO: Foto: Anderson Stevens/ Sport
Leitura:

Apesar de a primeira missão da defesa ser de evitar o gol do adversário, os zagueiros rubro-negros estão se cobrando por uma maior efetividade ofensiva. Dos 47 gols marcados pelo Sport nessa Série B, nenhum foi assinalado por um dos zagueiros do elenco leonino. Marca que vem incomodando bastante Rafael Thyere, que mesmo atuando em 34 partidas na Segundona e com 1,90 metro, não conseguiu aproveitar nenhum lance de bola parada para balançar as redes rivais.

“Essa cobrança existe entre nós (zagueiros). Eu, mesmo, me cobro bastante. Falo muito com André (Luís, auxiliar de Guto Ferreira) que cuida das bolas paradas, que podemos ter um aproveitamento melhor nesse quesito. Muitas equipes jogam apenas por uma bola. Defensivamente estamos bem, mas ofensivamente falta o gol. Quem sabe possa sair contra a Ponte Preta”, predestinou Rafael Thyere.

O defensor leonino apontou essas jogadas como uma possível alternativa para das retrancas adversárias. “Normalmente, os times vêm jogar contra a gente fechados, com marcação individual, fechando os nossos pontos fortes... Com Guilherme, Leandrinho e agora Elton no ataque. Então, a bola parada é uma saída. E nesse quesito estamos devendo. Contra a Ponte talvez esse gol saia”, desejou.

Se depender da torcida do Sport, apoio não vai faltar. Até o fechamento das bilheterias, no início da noite de ontem, 14.380 ingressos foram vendidos. A expectativa da diretoria rubro-negra é que, novamente, o público presente na Ilha do Retiro ultrapasse os 20 mil espectadores.

“Temos consciência da importância dessa partida contra o Vila Nova. Jogar na Ilha do Retiro, na nossa casa, e ter o torcedor do nosso lado é fundamental. Procurar ter tranquilidade e controlar a ansiedade, o que é normal do ser humano quando ficamos perto de conquistar o nosso objetivo. Mas essa ansiedade tem de ser controlada para não atrapalhar. É pegar a Ilha a nosso favor e fazer um grande jogo e comemorar a conquista do nosso objetivo”, declarou Thyere.

RESPEITO

A confiança demonstrada pelo zagueiro leonino não exclui o respeito pelo adversário que vai enfrentar. “Respeitamos a Ponte Preta, que é um clube de tradição e, independentemente do momento que eles vêm, nem sobe e nem lá em baixo, mas tem atletas de qualidade e que vão dar o melhor. Eles buscam espaço para o ano que vem, seja para ficar no clube ou para outras situações. Por isso, é importante termos concentração para fazer o nosso jogo e buscar o resultado”, comentou.

Depois do confronto com a Ponte Preta, o Sport fecha sua participação na Série B fora de casa contra o Atlético-GO.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias