MANAUS

PM já havia contido 3 motins em prisão improvisada no Amazonas

Ao menos cinco presos foram mortos durante uma rebelião deflagrada na Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, na madrugada desse domingo (8)

Estadão Conteúdo Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 09/01/2017 às 9:40
Foto: Reprodução/Google Street View
Ao menos cinco presos foram mortos durante uma rebelião deflagrada na Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, na madrugada desse domingo (8) - FOTO: Foto: Reprodução/Google Street View
Leitura:

Celas cheias de entulho, encanamentos expostos, fiação deteriorada, ferros retorcidos, paredes quebradas e insalubridade. Foi com essa estrutura comprometida que o governo do Amazonas transferiu, no dia 2, pelo menos 284 detentos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e do Instituto Penitenciário Antônio Trindade (Ipat) para a Cadeia Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde aconteceram ao menos cinco mortes nesse domingo (8).

Pelo menos três vezes na semana passada o reforço da Polícia Militar foi chamado às pressas para conter inícios de motins na prisão, no centro de Manaus. Na versão oficial, os presos reclamavam da estrutura, uma vez que a unidade centenária havia sido reaberta às pressas, após ficar fechada por três meses. Os detentos foram mantidos inicialmente na capela e na enfermaria, únicos locais disponíveis, em razão do comprometimento das barras de proteção nas celas maiores.

Mesmo com a força-tarefa montada pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) para fazer pequenas reformas no local, os presos não se acalmaram. Do lado de fora, familiares se aglomeravam durante toda a semana em busca de informações sobre as condições de segurança. O medo diante de novos ataques, ainda que a cadeia tenha passado a ser um reduto quase exclusivo do PCC, foi exposto pelos detentos a representantes do Ministério Público que fizeram visitas ao local. As ameaças poderiam vir de qualquer canto. 

Agentes Penitenciários do Amazonas

Na quarta-feira, o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Amazonas, Antônio Jorge Albuquerque Santiago, já havia alertado para a fragilidade do local. Informações extraoficiais dão conta de que apenas dois agentes penitenciários estão na Vidal Pessoa, auxiliando uma dezena de policiais militares. Procurada, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) não detalhou números. "Não há no Vidal segurança nenhuma para agentes nem para os presos. É risco de morte, de rebelião, de outra facção tentar resgate."

Na tarde do mesmo dia, equipes da PM abordaram dois jovens que circulavam no entorno da cadeia, na Avenida 7 de Setembro, e na mochila de um deles encontrou uma faca. A dupla esperava uma brecha na vigilância para jogar a arma branca para dentro da unidade, mas foi presa antes. A reativação, segundo sustentam membros do governo, como o secretário de segurança, Sérgio Fontes, foi a única alternativa para segregar os presidiários das duas facções visando a protegê-los. O sistema prisional do Estado tem 19 unidades - 11 na capital e oito no interior. 

Centenária

A Vidal Pessoa começou a ser construída em 1904 e foi inaugurada, com o nome de Casa de Detenção de Manaus, em 1907. A unidade foi até 1999 a maior cadeia do Estado, ano em que foi inaugurada a ala de regime fechado do Compaj, e então passou a abrigar apenas presos provisórios. O cenário de violência na capital amazonense e a repressão mais forte a traficantes de drogas levaram rapidamente o local a ultrapassar a sua capacidade de 300 internos, chegando a abrigar mais de 1,5 mil.

A situação de precariedade diante da superlotação e falta de estrutura detectada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em inspeções feitas em 2010 e 2013, levaram à recomendação de fechamento, sob risco de denúncia a cortes internacionais, dada a "violação frontal aos direitos humanos", como sustentou em visita o conselheiro da entidade Guilherme Calmon.

Em 11 de outubro de 2016, os últimos 167 presos da cadeia foram transferidos para outras unidades. No dia anterior, 15 haviam escapado pulando o muro. A promessa era que a estrutura seria entregue à Secretaria de Cultura. Os planos tiveram de ser revistos. Agora, a administração penitenciária pretende usar o local por ao menos três meses, prazo em que será finalizada uma nova unidade na cidade. O Ministério Público amazonense teme que a estrutura seja novamente incorporada à gestão prisional e já pediu que o governo apresente plano de desocupação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas notícias