Análise

Inteligência francesa acusa regime Assad por ataque químico na Síria

O ataque no dia 4 de abril matou 87 pessoas, incluindo 31 crianças

AFP
AFP
Publicado em 26/04/2017 às 6:35
Foto: Abd Doumany/AFP
O ataque no dia 4 de abril matou 87 pessoas, incluindo 31 crianças - FOTO: Foto: Abd Doumany/AFP
Leitura:

Um relatório do serviço de inteligência da França acusa o regime do presidente sírio Bashar al-Assad pelo suposto ataque químico em uma localidade rebelde do noroeste da Síria que deixou 87 mortos, anunciou nesta quarta-feira o ministro das Relações Exteriores, Jean-Marc Ayrault.

"Não há a menor dúvida de que foi utilizado gás sarin. Também não há dúvida sobre a responsabilidade do regime sírio, levando em consideração o método de fabricação do sarin utilizado", declarou Ayrault à imprensa após um conselho de Defesa durante o qual apresentou o relatório do serviço de inteligência.

O documento, elaborado com base em mostras e análises realizadas pelo serviço de inteligência francês, permite estabelecer "de fonte certeira que o método de fabricação do sarin coletado é típico do método desenvolvido pelos laboratórios sírios. Este método leva a assinatura do regime e é o que nos permite estabelecer sua responsabilidade neste ataque", declarou Ayrault.

O ataque no dia 4 de abril contra a localidade de Khan Sheikhun, uma zona rebelde na região noroeste do país, matou 87 pessoas, incluindo 31 crianças.

Estados Unidos respondeu ao ataque na Síria

Após o ataque, os Estados Unidos bombardearam, em represália, uma base aérea do regime sírio em 7 de abril. 

Assad nega categoricamente estar por trás do ataque de Khan Sheikhun.

A Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) concluiu em 19 de abril de forma "indiscutível" que as vítimas do ataque foram expostas ao gás sarin. Estados Unidos, Reino Unido, Turquia e França chegaram à mesma conclusão. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias