ATENTADO

Ataque talibã no Afeganistão mata governador e mais seis pessoas

O ataque aconteceu na sede do governo de Khwaja Omari, na província de Ghazni, sudeste do Afeganistão

Vitor Nascimento
Vitor Nascimento
Publicado em 12/04/2018 às 6:58
Foto: Reprodução/Twitter
O ataque aconteceu na sede do governo de Khwaja Omari, na província de Ghazni, sudeste do Afeganistão - FOTO: Foto: Reprodução/Twitter
Leitura:

Um governador de distrito e pelo menos seis policiais morreram nesta quinta-feira em um ataque reivindicado pelos talibãs contra a sede do governo de Khwaja Omari, na província de Ghazni, sudeste do Afeganistão.

Outras fontes citaram mais de 10 mortos no ataque talibã, que durou mais de três horas.

Aref Noori, governador da província, disse que os talibãs iniciaram um ataque coordenado contra a sede do governo do distrito de Khwaja Omari entre 2H00 e 5H30 da manhã.

"Sete pessoas morreram, incluindo o governador do distrito, Ali Doms Shams, e seis policiais. Outras nove, todas integrantes do NDS (Serviço Nacional de Inteligência) foram feridas", afirmou.

O vice-comandante de polícia de Ghazni, Ramazan Ali Mohsini, mencionou 13 mortos: o governador do distrito, sete policiais e cinco NDS.

"Os talibãs utilizaram uma escada para entrar no edifício e iniciar o ataque", afirmou, antes de destacar que a sede do governo foi incendiada.

De acordo com Mohsini, os talibãs também sofreram muitas baixas, mas a informação não foi confirmada até o momento.

O porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, reivindicou o ataque e disse que "mais de 20 policiais foram assassinados e muitos ficaram feridos".

"Perdemos três mujahedines no ataque, outros quatro foram feridos", afirmou.

A província de Ghazni, como todo o sudeste do Afeganistão, é uma região com forte presença talibã, reforçada pela relativa proximidade do Paquistão e suas zonas tribais, onde segundo o governo de Cabul os insurgentes encontram refúgio, o que Islamabad nega.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias