VIOLÊNCIA

Guardas chineses matam cachorros a pauladas para impedir transmissão de coronavírus

Vídeo foi gravado na manhã desta terça-feira (11)

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 11/02/2020 às 10:22
Notícia
Foto: Reprodução/Vídeo
Vídeo foi gravado na manhã desta terça-feira (11) - FOTO: Foto: Reprodução/Vídeo
Leitura:

Um grupo de guardas comunitários chineses é acusado de espancar cachorros até a morte com a intenção de impedir a transmissão do coronavírus, doença que já causou a morte de 1.018 pessoas até a manhã desta terça-feira (11). 

» Imip se torna hospital de referência para atendimento de possíveis casos de coronavírus

» Brasileiros resgatados em Wuhan chegam a Anápolis sem sintomas do coronavírus

» Com medo de pegar coronavírus, donos abandonam animais, na China

» Conheça o pangolim, animal suspeito de transmitir o coronavírus

Na última semana, a Organização Mundial de Saúde reportou que não há casos confirmados de coronavírus em animais domésticos. “Até o momento, não há evidências de que animais domésticos como cães e gatos estejam infectados com o novo coronavírus”, tranquilizou, em nota.

Mesmo com o anúncio, dois cães foram mortos nesta manhã. Em vídeo gravado na cidade de Nanchong, na província de Sichuan, na China, é possível ver um oficial batendo em um animal com uma haste de madeira.

Reprovação

As autoridades locais condenaram a atitude dos guardas. "Neste ponto crucial de luta contra a epidemia, a corporação e os guardas comunitários deveriam ter desinfectado a vizinhança, recolhido informações dos visitantes, supervisionado os pacientes suspeitos em quarentena ou oferecido cuidados psicológicos ao estresse e trauma que os dos residentes adquiriram com a epidemia. Mas, no entanto, eles ignoraram o amor e respeito dos cidadãos pelos animais e mataram vidas sem permissão", respondeu.

Veja como o vírus se espalha pelo mundo

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias