RISCOS

TSE alerta para risco de candidato avulso nas próximas eleições

Para o TSE, candidatos sem vinculação partidária comprometeriam a segurança da eleição brasileira

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 04/10/2017 às 11:50
Foto: Agência Brasil
Para o TSE, candidatos sem vinculação partidária comprometeriam a segurança da eleição brasileira - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

Na véspera de o Supremo Tribunal Federal (STF) discutir a possibilidade de candidaturas avulsas, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) encaminhou nesta terça-feira, 3, à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, um estudo em que alerta para os riscos do lançamento de candidatos sem vinculação partidária nas próximas eleições. O estudo foi feito a pedido do presidente do TSE, Gilmar Mendes, que criticou na terça a possibilidade de haver candidaturas avulsas.

Para o TSE, isso "compromete totalmente a segurança da eleição brasileira, especialmente a eleição proporcional". "A regulamentação do nosso sistema eleitoral está baseada na obrigatoriedade de que as candidaturas estejam vinculadas a partidos", diz a nota técnica do TSE, ressaltando que o horário eleitoral na TV e no rádio é calculado com base no tamanho da bancada de cada partido na Câmara dos Deputados.

"A permissão de coligações partidárias nas eleições proporcionais também impõe que os cálculos sejam feitos tomando-se por base os partidos", observa o TSE.

Dados

O tribunal alega que os dados de um candidato nas urnas eletrônicas estão associados a um partido e qualquer alteração demandaria um novo software, "o que também comprometeria a segurança do processo de votação e da totalização dos votos, sem falar no retrabalho e no imenso aumento de custos". "Ressalte-se que mais de 80% dos softwares que serão usados nas eleições já estão prontos e sendo testados", alerta a nota técnica. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias