PESQUISA

Com 1%, Meirelles diz que Datafolha veio dentro do esperado

Meirelles continuou com 1% das intenções de votos no melhor dos cenários

Isabela Veríssimo
Isabela Veríssimo
Publicado em 15/04/2018 às 18:02
Foto: EBC
Meirelles continuou com 1% das intenções de votos no melhor dos cenários - FOTO: Foto: EBC
Leitura:

Virtual candidato do MDB à Presidência da República, o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles afirmou que a pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (15) veio "dentro do esperado". Na avaliação dele, que continuou com 1% das intenções de votos no melhor dos cenários, somente pré-candidatos que enfrentam acusações e outros problemas tendem a oscilar nas pesquisas durante a pré-campanha.

"Os resultados estão dentro do esperado. Nesta fase da pré-campanha, os números tendem a não sofrer grandes alterações, com exceção daqueles que estão enfrentando acusações e problemas", disse Meirelles. "No meu caso, o mais importante agora são as pesquisas qualitativas que mostram que eleitores que têm acesso ao meu histórico reagem positivamente em sua grande maioria", acrescentou o ex-ministro.

Outros candidatos

O Datafolha divulgado neste domingo foi o primeiro após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sido preso. O levantamento mostra que o ex-presidente lidera corrida à Presidência da República com 31% das intenções de votos no melhor cenário, mas viu a diferença diminuir em relação aos seus principais adversários após ser preso pela Operação Lava Jato. No fim de janeiro, no levamento anterior, o petista tinha até 37%.

A pesquisa também mostrou que os pré-candidatos Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) herdam dois de cada três apoiadores do ex-presidente. Nos cenários sem Lula, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) aparece com 17% das intenções de voto, empatado tecnicamente com Marina Silva (Rede), entre 15% e 16%. A pesquisa foi realizada entre quarta-feira (11) e sexta-feira (13).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias