Operação

Lava Jato diz que decisão de Marco Aurélio é 'absolutamente equivocada'

Cerca de 50 minutos após a decisão, o ex-presidente Lula pediu alvará de soltura

Amanda Azevedo
Amanda Azevedo
Publicado em 19/12/2018 às 16:33
Foto: Pedro de Oliveira/ ALEP
Cerca de 50 minutos após a decisão, o ex-presidente Lula pediu alvará de soltura - Foto: Pedro de Oliveira/ ALEP
Leitura:

O coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, procurador da República Deltan Dallagnol, afirmou nesta quarta-feira (19) que é "absolutamente equivocada" a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), de mandar soltar presos condenados em 2ª instância. Cerca de 50 minutos após a decisão, o ex-presidente Lula - preso e condenado a 12 anos e 1 mês de cadeia pelo Tribunal Regional Federal da 4 ª Região por corrupção e lavagem de dinheiro no caso triplex do Guarujá - pediu alvará de soltura.

"Sua irresignação diante dessa decisão, entendendo que ela é absolutamente equivocada por contrariar posição do próprio Supremo Tribunal Federal, por violar o princípio da estabilidade das relações jurídicas, por violar o princípio da colegialidade, de que o órgão do Supremo Tribunal Federal é maior que suas partes e de que ministros não devem funcionar como ilhas isoladas", afirmou. "Essa decisão contraria o sentimento da sociedade que exige o fim da impunidade. Ela consagra a impunidade, violando os precedentes estabelecidos pelo próprio Supremo."

O procurador Roberson Pozzobon, integrante da força-tarefa, afirmou que um "recente levantamento do sistema carcerário foi averiguado que 240 mil presos no Brasil, um universo carcerário muito grande, são presos provisórios".

"Essa decisão, geral, uma decisão que se aplica a todos aqueles que não tenham ainda sentença condenatória confirmada em Tribunais Superiores e que tenham recursos nesses tribunais superiores pode soltar réus violentos, réus por outros tipos de delito, não apenas o de corrupção", alertou.

Decisão de Marco Aurélio

Na véspera do recesso do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Marco Aurélio Mello decidiu suspender a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, atendendo a um pedido do PCdoB. A decisão do ministro abre caminho para a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) - preso e condenado no âmbito da Operação Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá.

A decisão de Marco Aurélio Mello determina a libertação daqueles que tenham sido presos sem o esgotamento de todos os recursos referentes a condenação. Na prática, as defesas precisam pedir aos juízes competentes pela liberdade de seus clientes, não sendo automática a soltura a partir da determinação de Marco Aurélio.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias