ditadura

Para Bolsonaro, atentado no Recife em 1966 deu início à luta armada

Deputado Jair Bolsonaro veio ao Recife nesta terça (30) para sepultamento de ex-jogador sobrevivente de atentado em 1966

Luisa Farias
Luisa Farias
Publicado em 30/05/2017 às 14:53
Agência Brasil
Deputado Jair Bolsonaro veio ao Recife nesta terça (30) para sepultamento de ex-jogador sobrevivente de atentado em 1966 - FOTO: Agência Brasil
Leitura:

O pré-candidato a presidência da República e deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) veio ao Recife nesta terça-feira (30) para o sepultamento do ex-jogador do Santa Cruz, Sebastião Tomaz de Aquino, conhecido como “Paraíba, o Canhão do Arruda”, sobrevivente do atentado terrorista ocorrido no Aeroporto Internacional dos Guararapes em 25 de julho de 1966. O corpo será sepultado nesta terça-feira (30) às 16h no Cemitério de Santo Amaro, no Recife.

 “Vamos agora participar dessa última homenagem a esse homem, que em meados de 1966 foi ferido por uma bomba da Ação Popular, da esquerda brasileira, essa esquerda que diz que lutava por democracia”, disse Bolsonaro em vídeo na página oficial da Associação de Cabos e Soldados de Pernambuco (ACS-PE)

Segundo Bolsonaro, o atentado foi o que ocasionou o início da luta armada no Brasil. “Muitos historiadores de araque costumam dizer que ela começou no AI5. O AI5 foi dois anos depois”, contou o deputado. O deputado afirmou que o povo deve conhecer a história para evitar que outras tragédias como essa aconteçam. “Isso tudo pode ser evitado a partir do momento que a população se conscientize do que foi aquele período, do que a sociedade se livrou naquele momento, que seria uma ditadura terrível no nosso Brasil. Devemos essa liberdade as nossas Forças Armadas, as mulheres na rua em 64, a OAB, a ABI, os empresários, agricultores, todo o povo unido”.

Esquerda

Jair Bolsonaro afirmou ainda que a cúpula da política está “contaminada pela esquerda”. Ele criticou a tentativa de aprovação da PEC que permite a realização de eleições diretas em caso de vacância dos cargos de presidente e vice-presidente da República no último ano de mandato, em tramitação no Congresso Nacional. “PT, PCdoB, PSOL se articulam para não só anistiar esses envolvidos na Lava Jato bem como se perpetuar no poder fraudando, que estão previstas para o ano que vem, antecipando eleições. Sendo feita por urna eletrônica, vai garantir a eleição de lula, quem sabe o vice Fernando Henrique Cardoso para compor essa grande articulação, essa grande armação que estão preparando contra nós”, disse o deputado.

Veja o vídeo na íntegra: 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias