Copergás

Alepe terá expediente especial para discutir privatização da Copergás

Processo de privatização da Copergás tem impacto político porque pode expor o discurso contra privatização que o PSB tem adotado no caso da Chesf

Editoria de Política
Editoria de Política
Publicado em 01/11/2017 às 11:12
Reprodução
Processo de privatização da Copergás tem impacto político porque pode expor o discurso contra privatização que o PSB tem adotado no caso da Chesf - FOTO: Reprodução
Leitura:

A Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) promove na próxima segunda-feira (6) um expediente especial para discutir a situação da Companhia Pernambuca de Gás (Copergás), às 15h, no auditório Sérgio Guerra.

A deputada estadual Teresa Leitão (PT) é autora do requerimento do expediente especial. “A Copergás é uma das empresas mais lucrativas do Estado de Pernambuco, motivo pelo qual o Sindicato dos Petroleiros dos Estados de Pernambuco e da Paraíba acredita que há um movimento de preparação para privatização da companhia. Portanto, o Grande Expediente Especial será uma oportunidade de esclarecimentos. A Copergás é uma empresa de economia mista”, afirmou a deputada. 

Privatização

Um plano do BNDES com adesão do governo do Estado prevê que o leilão de privatização da Copergás ocorra no fim do segundo trimestre de 2018. Segundo o vice-governador Raul Henry (PMDB), secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, o cronograma do termo firmado com o BNDES prevê que, se houver todos os indicativos positivos e a privatização da Copergás seja aprovada, a operação ocorreria no final do próximo ano. No momento, porém, não há definição sobre a entrega da companhia para a iniciativa privada. Se isso ocorrer, porém, a venda seria executada pelo próprio banco federal.

O governador Paulo Câmara (PSB) declarou em setembro que aguarda o resultado de um estudo para definir se privatiza ou não a Copergás. Segundo o socialista, o momento é de esperar a crise econômica passar para avaliar a possibilidade da empresa de gás pernambucana. Ainda de acordo com o socialista, caso seja vendida hoje, o governo perderia recursos com a transação.

Impacto Político

O processo de privatização da Copergás tem impacto político porque pode expor o discurso contra a venda de empresas públicas que o PSB tem adotado no caso da Chesf para se diferenciar dos adversários da família Coelho. Tanto Lucas Ramos, quanto o deputado federal Danilo Cabral (PSB), que coordenam as frentes em defesa da distribuidora de energia na Alepe na Câmara Federal, integram o núcleo palaciano mais próximo ao governador Paulo Câmara.

Últimas notícias