PPP do Saneamento

Representantes da Compesa e da BRK vão assinar termo de ajuste no TCE

Segundo o TCE, a Odebrecht Ambiental investiu menos que 30% dos recursos previstos, desequilibrando o contrato

Da Editoria de Política
Da Editoria de Política
Publicado em 14/12/2017 às 14:21
Foto: Guga Mattos/JC Imagem
Segundo o TCE, a Odebrecht Ambiental investiu menos que 30% dos recursos previstos, desequilibrando o contrato - FOTO: Foto: Guga Mattos/JC Imagem
Leitura:

Representantes da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) e da empresa BRK, que comprou a Odebrecht Ambiental, assinarão nesta sexta-feira (15/12), às 11 horas, no Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE), um Termo de Ajuste de Gestão (TAG), referente à Parceria Público Privada (PPP) do Saneamento. Inicialmente, a PPP do Saneamento tinha o projeto de sanear, em 12 anos, 100% dos 14 municípios da Região Metropolitana do Recife, mais Goiana.

Na época, a empresa parceira do empreendimento era a Odebrecht Ambiental, uma subsidiária da Construtora Odebrecht, cujo o dono Marcelo Odebrecht foi preso em 2015 por lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato. Essa última revelou um esquema de propina bilionário envolvendo executivos da Petrobras, diretores e donos de construtoras, além de políticos dos mais diversos partidos.

DESEQUILÍBRIO

Segundo informações do TCE, a Odebrecht investiu menos de 30% de recursos previstos, o que desequilibrou o contrato firmado com o Governo do Estado.

Segundo o relator do processo, conselheiro Dirceu Rodolfo, a assinatura do TAG tem por finalidade salvar a PPP e, consequentemente, o projeto de sanear os 15 municípios a serem contemplados no projeto.

Últimas notícias