O fim do lockdown

Lockdown não deve ser prorrogado, segundo secretário de Saúde do Recife. E nem adiantaria

Medida restritiva do Governo serviu de coisa nenhuma. A população não respeitou e não se ouviu falar em punição. Fiscalização aconteceu em locais de visibilidade, pra dar sensação de efetividade e só. Sensação não combate vírus.

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 27/05/2020 às 17:23
Análise
JAILTON JR./JC IMAGEM
A imagem do lockdown em Pernambuco - FOTO: JAILTON JR./JC IMAGEM
Leitura:

Durante audiência da Câmara de Vereadores do Recife, o secretário de Saúde da Capital, Jailson Correia, respondeu questionamento do vereador João da Costa (PT) sobre o fim da quarentena imposta há pouco mais de uma semana em cinco cidades da Região Metropolitana. A dúvida era sobre o que vai acontecer após o período determinado que vai até o fim de semana.

O secretário afirmou que o cenário mais possível é que o lockdown não seja prorrogado e voltemos às medidas que já estavam impostas desde o início de maio.

É bom lembrar que esse último decreto, que o Governo do Estado não quis chamar de lockdown, apesar de ter as características de um, deveria fazer com que as pessoas não circulassem, nem mesmo ocupando veículos. Bloqueios seriam montados e quem estivesse na rua sem motivo essencial seria “convidado” a ir pra casa por uma força policial. Inicialmente deveria durar 15 dias.

Lockdown, ao que tudo indica, será um fiasco

No momento em que escrevo esse texto, o barulho dos carros e as buzinas na avenida aqui em frente mostram que ninguém está muito preocupado. Da janela observo muitas pessoas circulando pelas calçadas e de bicicleta, vendedores passam na rua todo dia e hoje, depois de esperar que o meu carro pudesse circular por causa do rodízio, fui fazer compras no mercado. Peguei um engarrafamento e não tinha fiscalização nenhuma, trânsito de uma quarta-feira comum.

Polícia pelo caminho? Nada também.

O índice de isolamento no Recife esta semana foi igual ou mais baixo do que várias cidades no Estado que não estão sob decreto de quarentena, lockdown, fecha rua ou seja lá como quiserem chamar.

Importa pouco o nome que dão. Se não tiver fiscalização de verdade, em todos os cantos da cidade e não apenas nos bairros nobres pra chamar atenção e dar sensação de efetividade, não serve de nada.

Ficar em lockdown, sair do lockdown. Essa é uma discussão tão inócua quanto seu resultado prático.

O certo é que o poder público falhou.

Números covid-19

.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias