Cena Política

Bolsonaristas e a esquerda estão juntos e defendendo a mesma pauta no Congresso

Deputados ligados ao presidente Jair Bolsonaro se uniram aos colegas do PT e do PCdoB por aprovação de PEC que limita a atuação do Ministério Público e pode atrapalhar investigações.

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 14/10/2021 às 16:28
Análise
Fotos: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil e Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Todo mundo no mesmo barco - FOTO: Fotos: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil e Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Leitura:

Deputados bolsonaristas se uniram com os parlamentares do PT e do PCdoB, entre outros da esquerda, para tentar aprovar a Proposta de Emenda Constitucional 05/2021, que muda a estrutura do Conselho Nacional do Ministério Público e que promotores e procuradores em todo o Brasil reclamam que pode acabar com a atuação do Ministério Público em casos de combate à corrupção.

O texto vem sendo chamado de "PEC da Vingança", porque seria uma reação dos políticos investigados pela Lava Jato contra o MP.

A principal crítica dos integrantes do MP é quanto a uma possível ameaça à autonomia do órgão.

Caso a PEC seja aprovada, o CNMP ganha o poder de rever atos de procuradores e promotores de Justiça, inclusive anulando portarias para instauração de investigações. Esse é o ponto crucial.

O Conselho, pela proposta, teria mais indicados dos parlamentares que, segundo o MP, evitariam investigações contra... os parlamentares.

Há quem brinque que é como dar a chave do galinheiro para a raposa vigiar.

Mas, o que chama atenção é o apoio que os bolsonaristas estão dando ao texto. Além de Arthur Lira (PP), que tenta aprovar com urgência a PEC há alguns dias, o Major Vitor Hugo (PSL), uma das principais lideranças de Bolsonaro, tem feito dobradinha com o deputado pernambucano Renildo Calheiros (PCdoB), na defesa da proposta.

No fim, todo mundo quer a mesma coisa.

Não é a primeira vez que bolsonaristas se unem à esquerda, é preciso lembrar. Uma das ocasiões mais emblemáticas foi a eleição do próprio Arthur Lira para a presidência da Câmara.

Petistas, socialistas e bolsonaristas votaram juntos no candidato do atual presidente da República, como se estivessem todos no mesmo barco. E talvez estejam.

Inclusive porque, Lira candidato, prometia nos corredores que ia acabar com as investigações dos promotores contra políticos.

Mas o caso mais recorrente de esquerda e bolsonaristas trabalhando juntos é o esforço que fazem para evitar o impeachment de Bolsonaro.

O PT, por exemplo, continua indo às ruas para pedir que tirem o presidente do poder, mas nos bastidores atua para que o impeachment não aconteça.

É que se não houver Bolsonaro como inimigo e ameaça pública, Lula pode acabar derretendo nas pesquisas.

Comentários

Últimas notícias