Cena Política

Teto de gastos: Bolsonaro tenta imitar Dilma para alcançar o resultado de Lula e pode acabar igual a Michel Temer

Conta, a favor do atual presidente, uma maioria que ele possui na Câmara, que pode segurar o impeachment, caso seja reeleito. Mas, já há quem diga que nem candidato ele será.

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 22/10/2021 às 11:26
Análise
Temer e Bolsonaro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Temer e Bolsonaro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pretende buscar a reeleição. Para facilitar o caminho, resolveu percorrer os "caminhos do PT", incluindo a irresponsabilidade com as contas públicas em nome de mais apoio em períodos eleitorais.

Lula (PT), entre 2005 e 2006, reforçou o Bolsa Família para tentar escapar do escândalo do Mensalão. Gastou mais dinheiro, reajustou o benefício, manteve a popularidade e conseguiu vencer, na época, o PSDB.

Dilma Rousseff (PT) teve atitude parecida. Entre outras coisas, congelou as tarifas de energia elétrica à força e interviu nos preços da Petrobrás para segurar o preço da gasolina e do Diesel. O país quase quebrou por causa disso, a economia fugiu do controle e ela acabou impedida e expulsa do Palácio do Planalto logo depois.

O que Bolsonaro tenta fazer desrespeitando o teto é uma média de tudo que Lula e Dilma fizeram para conseguir se reeleger. A receita é testada e aprovada nas duas ocasiões. Porque, Dilma, apesar de ter sofrido o impeachment, conseguiu, antes, a reeleição.

Conta, a favor do atual presidente, uma maioria que ele possui na Câmara, que pode segurar o impeachment enquanto ele tenta consertar as coisas no futuro, caso seja reeleito.

A tendência, porém, é que Bolsonaro siga a receita de Lula e Dilma, mas acabe como Michel Temer (MDB), seu antecessor. Temer fez tudo direito, foi responsável com as contas, respeitou o teto de gastos, mas acabou sendo fortemente orientado a nem pensar em reeleição e ir fazer poesia.

Bolsonaro não é poeta, mas pode acabar recebendo sugestão parecida.

Comentários

Últimas notícias