OPINIÃO

Câmara de Vereadores finge não ver 3ª operação da PF no Recife

A operação da Polícia Federal foi desencadeada nessa quinta-feira (24)

Cláudio Humberto
Cláudio Humberto
Publicado em 24/07/2020 às 7:23
 LEO MOTTA/JC IMAGEM
MUNICÍPIO Embora maioria das pessoas não conheça, trabalho da procuradoria é estratégico para prefeitura - FOTO: LEO MOTTA/JC IMAGEM
Leitura:

A cidade do Recife amanheceu nesta quinta (23) sob nova operação da Policia Federal no âmbito de investigação de corrupção na prefeitura da cidade para a compra de materiais de combate ao Covid-19. É a única capital onde já houve três operações da PF contra superfaturamento e dispensa de licitação, mas os vereadores da cidade, obedientes ao prefeito Geraldo Júlio (PSB) não querem nem ouvir falar em criar CPI.

Quase-preso

A PF está convencida da corrupção, até pediu a prisão do secretário municipal de Saúde, mas Jailson Correia teve sorte: o juiz negou.

Sem opção

A prefeitura tem alegado que os valores pagos pelos materiais contra Covid-19 eram os praticados no mercado, sem opção de preço menor.

Oportunistas

Os investigadores acham que, apesar da emergência da Covid-19, os gestores se aproveitaram das facilidades da dispensa de licitação.

Genéricos de José Serra

Alem de investigar as relações entre o atual senador José Serra (PSDB-SP) e José Seripieri Júnior, fundador da Qualicorp, empresa vendedora de planos de saúde coletivos, procuradores de São Paulo rastreiam também outro importante “braço apoiador” do ex-ministro da Saúde do governo FHC: a indústria farmacêutica de medicamentos genéricos. É o que falta para completar o “quebra-cabeças” do caso.

Tido como bom ministro da Saúde, Serra instituiu no Pais remédios genéricos, mais baratos, inclusive com a quebra de patentes. Com os genéricos, a cidade de Anápolis (GO) se tornou o maior pólo do País da indústria farmacêutica. Essa turma é muito “grata” a Serra.Uma linha de investigação tenta estabelecer vínculo entre o poder do PSDB e doações “não contabilizadas” de indústrias farmacêuticas.

Escondendo

O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, disse ontem à Rádio Bandeirantes que apenas está “em estudos” o cartório que burocratiza a receita médica eletrônica. Mas ele escondeu jogo: está tudo decidido.

Burocracia

Segundo a minuta da resolução da Anvisa, o médico terá de obter certificação para prescrever remédios eletronicamente e a farmácia terá de fazer o mesmo para vender o remédio. O doente que se vire.

Equívoco

O procurador Marcelo Monteiro, crítico da liminar do STF que proíbe a polícia de atuar nas favelas, repetiu o irônico desafio dos cariocas: que tal liminar do ministro Fachin proibindo traficantes de vender drogas?

Sóstenes

O deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) saiu ontem da consulta e foi logo espalhando a boa nova: está curado de covid-19. E disse que retornará em um mês para checar se a doença deixou seqüelas.

Soberba

Rodrigo Maia está tão habituado a comandar a pauta da Câmara que já avisou: “ninguém vai votar nada no segundo semestre de 2021”. Esqueceu que ele não será mais o presidente da Casa.

Frase

"Essa liminar é um absurdo do ponto de vista legal", procurador do MP fluminense Marcelo Monteiro, sobre a liminar que impede operações da polícia em favelas do Rio

 

Comentários

Últimas notícias