Opinião

Câmara tem Projetos para reprimir os efeitos da decisão da Aneel de aumentar as contas de luz durante a pandemia

Leia a opinião de Cláudio Humberto

JC
JC
Publicado em 03/12/2020 às 8:32
Artigo
Foto: Celpe/Divulgação
A decisão da Aneel visa atender interesses de distribuidoras e pode inviabilizar os negócios que começam a se recuperar e gerar empregos - FOTO: Foto: Celpe/Divulgação
Leitura:

Conta de luz na Câmara

A Câmara dos Deputados tem três Projetos de Decreto Legislativo para sustar os efeitos da decisão da Aneel de aumentar as contas de luz dos brasileiros durante a pandemia. Com o nível dos reservatórios das cinco maiores hidrelétricas do País em situação similar ou melhor que a do ano passado, os parlamentares tentam "expor mentiras" usadas pela agência reguladora para justificar o aumento, que havia prometido não aplicar

.

Itaipu chegou a abrir o vertedouro este ano e afirmou que não afetaria a geração de energia. Belo Monte está com 82% do reservatório cheio. A usina de Santo Antônio, em Rondônia, está com 25% da capacidade, mas a situação é melhor que a verificada em 2019, no mesmo período.

Para André Figueiredo (PDT-CE), autor de um dos projetos, a energia é necessidade básica e o aumento pode agravar os efeitos da pandemia. A decisão da Aneel visa atender interesses de distribuidoras e pode inviabilizar os negócios que começam a se recuperar e gerar empregos.

Governador tenta burlar sucessão

Prestes a ser destituído, após impressionantes denúncias de corrupção, o governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou apoio a Alessandra Campelo, deputada da sua confiança, na disputa pela presidência da Assembleia Legislativa, dia 17. É que, na prática, o presidente da Assembleia deve assumir o governo até 2022. Alessandra é prima do atual secretário da Saúde, Marcellus Campelo, que assinou um "aditivo" muito questionado, no valor de R$400 milhões, em contrato sob suspeita. A representante de Wilson Lima terá de derrotar o atual presidente, Josué Neto, candidato (muito forte) à reeleição. Lima e seu governo foram alvos de três fases da Operação Sangria, da PF e da CGU, e de processo de cassação na Assembleia. A decisão de afastar o governador do cargo está desde março nas mãos do ministro relator Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça.

Não é torcida

Há analistas torcedores fazendo "autópsia" do prefeito do Rio, Marcelo Crivella. É má aposta. Só para lembrar, após perder para Doria no 1º turno, em 2016, Haddad (PT) levou Bolsonaro ao 2º turno em 2018.

 

Frase

"Em janeiro e fevereiro já começam a chegar 15 milhões de doses", afirmou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sobre o cronograma de vacinas contra covid-19.

 

Uma gastura...

A Caixa Cultural decidiu reabrir exposições, museus, oficinas etc. Tudo "gradual" e com protocolos anti-covid. Nas universidades federais, no entanto, a turma não quer saber de honrar salários e nem os estudos.

Falta chegar 

Apesar do anúncio do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sobre a chegada "entre janeiro e fevereiro" do primeiro lote de vacinas contra o coronavírus, a vacinação ainda não está com data definida.

Recorde

O investimento de estrangeiros no Brasil bateu recorde histórico, em novembro, não apenas dos últimos 25 anos. Mas a conta vai apenas até 1995, pois é o ano quando esse dado passou a ser computado.

Estudar 

A volta às aulas provocou reações fortes e até reveladoras. Uma aluna da Universidade de Brasília tascou no Twitter: "Se a UnB voltar e eu ter (sic) que passar 4 horas por dia dentro de transporte público de novo em pandemia vou me matar". Ela deveria voltar, mas ao ensino fundamental.

Transição calma

Em Maceió, o prefeito eleito JHC já fez, nesta quarta (2), a primeira reunião de transição de governo com o atual prefeito, Rui Palmeira, que apoiou seu opositor. Tudo muito civilizado, maduro, profissional.

 

 

Comentários

Últimas notícias