Coluna Cláudio Humberto

Podemos deve se juntar à "terceira via"

A presidente do Podemos, Renata Abreu (SP) ficou devastada com a atitude de Moro, em quem o partido investiu expectativas, esperanças e dinheiro

Cláudio Humberto
Cláudio Humberto
Publicado em 07/04/2022 às 7:17 | Atualizado em 31/12/1969 às 21:00
Foto: Leonardo Prado/Câmara dos Deputados
Renata Abreu (SP) é presidente do Podemos - FOTO: Foto: Leonardo Prado/Câmara dos Deputados
Leitura:

O Podemos, presidido pela deputada Renata Abreu (SP), deve se somar ao PSDB, Cidadania, MDB e União Brasil na constituição da chamada "terceira via", na disputa pela presidência da República. As conversações estão avançadas, sendo possível que a próxima reunião do grupo de respectivos presidentes já conte com a presença da deputada, cujo partido ficou "pendurado na brocha" após a traição do ex-juiz Sérgio Moro, que abandonou o partido para se filiar ao União Brasil.

Alguns políticos do grupo não gostam da expressão "terceira via". É o caso do tucano João Doria, que prefere "via da esperança" ou "melhor via". Sem contar com a candidatura própria a presidente, como pretendia, o Podemos avaliou que não resta outra atitude senão buscar alianças em seu campo político.

A presidente do Podemos ficou devastada com a atitude de Moro, em quem o partido investiu expectativas, esperanças e dinheiro, muitos gastos. Entre os "pepinos" que deixou para o Podemos resolver esteve o rompimento do marqueteiro contratado, Paulo Vasconcelos, um dos mais caros do mercado.

Bem menor

O PDT perdeu oito deputados, desde 2019. É agora o décimo maior partido da Câmara, com 20 parlamentares. Empata com a menor bancada da história do partido, em 2014, bem longe dos 45 de 1990.

Regra dos cargos pode ser revogada

A alteração nas bancadas dos partidos na Câmara dos Deputados, após a janela de migração, já provoca a movimentação de líderes de partidos nos bastidores. A ideia é alterar a regra que mantém a atual
estrutura de cargos, que são divididos e distribuídos de acordo com o número de deputados que cada partido, ou bloco, tem no início da legislatura. Alguns partidos perderam musculatura, como PDT e PSB, mas outros, como o PL de Jair Bolsonaro e o PP, do presidente da Casa, Arthur Lira (AL), agora querem direito a uma fatia maior dos cargos e funções.

Pela regra, criada em 2014, a única exceção é a fusão entre PSL e DEM, atual União Brasil, que teriam os cargos somados, apesar da redução na bancada. Maior defensor da revogação da regra, o PL tem 78 deputados, mas fica com a mesma quantidade de cargos do MDB, que tem metade: 39.

O assunto foi discutido na reunião de líderes de ontem e deve ser o principal tema das reuniões das próximas semanas, mesmo não-oficialmente.

Mandou bem

É bom sinal a rejeição do regime de urgência para o projeto que "criminaliza" o que se convencionou chamar de "fake news". O que se pretendia, na verdade, era relativizar o exercício ao direito à livre
expressão, garantido na Constituição. Afinal, o projeto de inspiração fascista não esclarece quem decide o que é "fake".

Top of mind

Levantamento Paraná Pesquisa divulgado nesta quarta (6) mostrou empate técnico entre Lula (PT) e Jair
Bolsonaro (PL) no cenário espontâneo: 26,8% a 23%. Quando eleitor cita seu candidato e mostra a
consolidação do voto em sua cabeça.

Nunca trabalhou

Após um período poupando Lula de críticas, o tucano João Doria divulgou post nas redes sociais afirmando que o ex-presidente "é a cara do retrocesso" e pregando a criação de oportunidades para os mais pobres ascenderem à classe média. "Para Lula não faz diferença, ele nunca trabalhou", ironizou o candidato a presidente.

Se afastando

Após afirmar que a polícia paulista é cúmplice do crime organizado, o candidato do ao governo de São
Paulo Tarcísio Freiras (Rep), criticou ontem os médicos do Estado por criarem problemas para o SUS,
pedindo exames em excesso.

Grande jogada

Rápido e gratuito, o pix caiu no gosto do brasileiro, sobretudo os mais pobres, o que incomodou bancos, que faturavam alto com tarifas. Banco Central estima, diz Bolsonaro, que em um ano o povo deixou de pagar R$ 20 bilhões em tarifas.

Frase

Se trocasse a palavra deputado por ministro do STF, a gente veria uma mágica?" Deputado Luiz Lima (PL-RJ) sobre Lula mandar sindicalistas mapearem as casas de parlamentares e incomodarem suas famílias

Comentários

Últimas notícias