COLUNA ENEM E EDUCAÇÃO

Escolas privadas de Pernambuco propõem calendário diferente de retomada das aulas

Sindicato dos donos de escolas particulares pretende entregar proposta ao governo até a próxima sexta-feira (03)

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 30/06/2020 às 23:04
Notícia
LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
Com a pandemia, professores tiveram que adaptar as aulas para o ensino remoto - FOTO: LEO MOTTA/ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

As escolas particulares de Pernambuco – são cerca de 2.400, com 400 mil alunos matriculados e 20 mil docentes – planejam entregar ao governo, até a próxima sexta-feira (03), uma proposta de calendário de retomada das aulas específico para a rede privada. Esse segmento educacional do Estado tinha a expectativa de que o governo liberasse as aulas presenciais a partir de meados de julho, mas nesta terça-feira (30) o governo anunciou que o decreto que suspende as aulas presenciais terá validade até 31 de julho.

“Não é uma atitude de exclusão ou de confronto. Mas a maioria das escolas privadas está em fase de conclusão das adequações necessárias para o retorno das aulas, seguindo todos os cuidados de segurança. Vamos apresentar uma proposta com cronograma e com sugestão das etapas que devem voltar primeiro”, afirma o presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Pernambuco (Sinepe), José Ricardo Diniz.

A entidade defende que os extremos da educação básica retornem primeiramente: alunos do 3º ano do ensino médio e da educação infantil. “A razão da série final do médio é por conta do Enem e dos vestibulares. Para a educação infantil, há dois fortes motivos: o fato de as crianças pequenas terem mais dificuldades em desenvolver as atividades não presenciais e os pais, na grande maioria, estarão retornando aos seus locais de trabalho e terão a real necessidade de levá-las à escola”, ressalta José Ricardo.

Segundo o secretário de Educação e responsável pelo planejamento dos protocolos da área educacional, Frederico Amancio, o plano não vai diferenciar as redes. "Não haverá plano de retomada das aulas diferente por rede. Será um plano único, onde todos terão que seguir os protocolos", explica.

FACULDADES

O presidente do Sindicato das Instituições Particulares de Ensino Superior de Pernambuco, Jânyo Diniz, defende que o governo libere ao menos as atividades práticas este mês. “Diferente do ensino superior público, as faculdades privadas vêm com ensino remoto desde o início da pandemia. Os estudantes têm mantido uma rotina de aulas nos mesmos horários, com as mesmas turmas e os mesmos professores. A diferença é que cada um está na sua casa", afirma Jânyo.

"Nossa preocupação é com os alunos que dependem de aulas práticas para concluir o semestre letivo, sobretudo os que vão se formar. Porque o cronograma de aulas, embora no modelo remoto, foi concluído no tempo previsto”, justifica.

"Entre 75% e 80% dos alunos do ensino superior privado trabalham. Na prática, com a retomada das atividades econômicas, eles já estão na rua. O governo poderia pelo menos liberar as atividades práticas, seguindo todos os protocolos de segurança", diz.

"Uma alternativa seria realizar essas aulas práticas em horários que não impactassem no trânsito. Essa foi uma das sugestões que o sindicato apresentou ao secretário de Educação numa reunião que houve para tratar do plano de retomada das atividades na educação", explica Jânyo, que também é presidente do Grupo Ser Educacional. O Estado possui cerca de 90 faculdades particulares, segundo ele.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias