COLUNA ENEM E EDUCAÇÃO

Força-tarefa em Pernambuco para melhorar aprendizado e diminuir evasão provocada pela pandemia de covid-19

Governo estadual criou programa para melhorar aprendizado em português e matemática. Também para convencer cerca de 9 mil alunos que deixaram de estudar depois que a pandemia começou a voltarem para escola

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 13/10/2021 às 19:37
Notícia
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Sainara Letícia e Luiz Eduardo, alunos da Escola Estadual Luiz Delgado, no Centro do Recife, serão monitores para ajudar os colegas com dúvidas em português e matemática - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Sainara Letícia Ferreira, 17 anos, é craque em português. Seu colega Luiz Eduardo Nascimento, 18, é mais sabido em matemática. Eles farão parte de um time de 7.128 estudantes dos 9º anos do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio que ajudará o governo de Pernambuco a melhorar o aprendizado dos alunos nessas duas disciplinas. Com a pandemia de covid-19 e a suspensão das aulas presenciais, ano passado, por mais de seis meses, o Estado identificou lacunas de aprendizagem nessas áreas. Sainara e Luiz serão monitores do Programa Monitoria PE.

Além de focar na melhoria do aprendizado, o programa tem outra atuação: resgatar alunos que deixaram de estudar ano passado ou este ano. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, dos cerca de 544 mil estudantes matriculados na rede estadual, aproximadamente 9 mil não estão mais estudando. A taxa de evasão de Pernambuco, no ensino médio, era 1,5% antes da pandemia e agora passou para 4,5%.

Os monitores de português e matemática já foram selecionados por suas escolas. Vão receber, cada um, R$ 200 por mês. Eles deverão tirar dúvidas de colegas ou reforçar o ensino de assuntos que não foram bem compreendidos em sala de aula.

"Vamos aproveitar os alunos os melhores desempenho acadêmico. Além da oportunidade de receberem um recurso financeiro, eles vão fortalecer seu aprendizado e do seus colegas. Também é uma boa chance de vivenciar a carreira docente", explica a secretária executiva de Educação de Pernambuco, Ana Selva.

Para a busca ativa, o valor da monitoria é uma bolsa mensal de R$ 800. Alunos da rede, ex-alunos, líderes comunitários e outras pessoas que conhecem as áreas em que as escolas estão podem se candidatar à tarefa de encontrar os estudantes que se evadiram. Nesse caso, a Secretaria Estadual de Educação prevê atuação até o final deste ano. Já os monitores de português e matemática continuarão nos próximos anos. Nas duas frentes de atuação, o investimento do governo será de cerca de R$ 4,5 milhões.

"Sou boa em português e sempre ajudei meus colegas sem querer nada em troca. Agora vai ser legal porque terei uma recompensa", afirma Sainara.

"Tenho facilidade com matemática e percebi a dificuldade de muitos alunos, principalmente depois da pandemia. Resolvi aderir ao programa para ajudá-los", conta Luiz, que à tarde trabalha como barbeiro. A partir da próxima semana, eles vão se dedicar aos colegas da Escola Estadual Luiz Delgado, na Boa Vista, onde estudam.

Comentários

Últimas notícias