Romoaldo de Souza

Bancada da bala é grupo pouco numeroso, mas que faz barulho ensurdecedor

Algumas de suas propostas chegam a beirar o absurdo, como a que retira dos governadores estaduais o poder de nomear os comandantes das policiais militares

Romoaldo de Souza
Cadastrado por
Romoaldo de Souza
Publicado em 03/08/2022 às 14:20
FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
No Congresso Nacional há um grupo pouco numeroso, mas que faz um barulho ensurdecedor, que ganhou o singelo rótulo de "bancada da bala" - FOTO: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Gosto de destacar o poema “No Caminho, com Maiakóviski”, de Eduardo Alves da Costa, quando ele diz:

“Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho e nossa casa,
rouba-nos a luz e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada”

No Congresso Nacional há um grupo pouco numeroso, mas que faz um barulho ensurdecedor, que ganhou o singelo rótulo de “bancada da bala”.

Algumas de suas propostas chegam a beirar o absurdo, como a que retira dos governadores estaduais o poder de nomear os comandantes das policiais militares.

Pela iniciativa, seria instituída uma lista tríplice como forma de escolha dos comandantes-gerais, que teriam mandato de dois anos e autonomia orçamentária.

Logo depois, a mesma bancada da bala apadrinhou um projeto de lei concedendo anistia a 74 policiais militares que dispersaram, à bala, uma rebelião no presídio do Carandiru, na zona Norte de São Paulo, em outubro de 2019. No fim da operação, 111 presos estavam mortos.

Um dos integrantes dessa bancada, o deputado Sargento Fahur (PSD-PR), defendeu o perdão aos policiais, afirmando que eles agiram “para enfrentar bandidos” e que “deveriam ser tratados como heróis”.

O poema de Eduardo Alves da Costa nos adverte que a sociedade, o eleitor, devem estar de olhos bem abertos, vigilantes para que esse tipo de medida não prospere.

Pense nisso!

PS: deixo leitores e leitoras pelos próximos 15 dias descansarem dos meus argumentos. Volto logo!

Comentários

Últimas notícias