Segurança

Pernambuco também convive com a pandemia da violência 

Pelo quinto mês consecutivo, o número de homicídios volta a subir no Estado. E a polícia segue sem conseguir conter esse mal

Raphael Guerra
Raphael Guerra
Publicado em 15/06/2020 às 8:51
Artigo
JC Imagem/Arquivo
Número de homicídios em Pernambuco voltou a crescer nos últimos meses - FOTO: JC Imagem/Arquivo
Leitura:

Pelo quinto mês consecutivo, o número de homicídios volta a subir em Pernambuco. E preocupa. Mesmo com a pandemia do novo coronavírus, que obrigou as pessoas a se isolarem, as mortes se multiplicam. E a polícia segue sem conseguir conter esse mal. Nós, pernambucanos, convivemos, há muitos anos, com a pandemia da violência.

Somente neste ano, em cinco meses, 1.664 pessoas foram assassinadas. São mais de dez mortes por dia. Além de vidas perdidas, famílias, enlutadas, choram seus entes queridos e cobram por uma justiça que demora a ser feita. E, muitas vezes, a luta termina em impunidade.

A polícia tem o seu papel de investigar. Mas também é preciso prevenir a violência. Nesse aspecto, o Governo de Pernambuco não avança. E, por isso, os números da criminalidade oscilam tanto. Em janeiro de 2019, foi criada a Secretaria de Políticas de Prevenção à Violência e às Drogas. Mas, passados mais de 17 meses, a pasta ainda não apresentou projetos consistentes. E, ao que parece, não passa de uma secretaria criada apenas para atender a uma questão política.

O balanço mais recente divulgado pela Secretaria de Defesa Social (SDS), na noite da sexta-feira (12), mostra que Pernambuco já acumula 10,7% de aumento nos assassinatos em relação ao ano anterior. São 161 mortes a mais. Em geral, a SDS culpa o tráfico de drogas. Mas o que está sendo feito, na prática, para combater essa pandemia? Não sabemos.

LEIA TAMBÉM

Seis policiais militares foram mortos no Grande Recife neste ano

Apesar de lei, Polícia Civil publica fotos de abordagens a suspeitos

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias