Segurança

Dez advogadas vítimas de violência pediram ajuda de entidade da OAB-PE, na pandemia

Serviço está ajudando as advogadas e também estagiárias vítimas de violência doméstica em Pernambuco

Raphael Guerra
Raphael Guerra
Publicado em 08/04/2021 às 7:00
DIEGO NIGRO/ACERVO JC IMAGEM
Com medo do agravamento da violência, muitas mulheres ainda optam por não pedir ajuda - FOTO: DIEGO NIGRO/ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

Começou com discussões banais. Depois a violência psicológica. Por fim, os empurrões e ameaças. A advogada recifense Maria (nome fictício), de 38 anos, já não tinha mais forças para aguentar o relacionamento de quase dez anos. "Chegou um momento em que eu realmente passei a temer por minha vida", conta. Desesperada, e com medo de denunciar o marido à polícia, Maria tomou conhecimento de um serviço de apoio às advogadas vítimas de violência doméstica, oferecido pela Caixa de Assistência dos Advogados de Pernambuco (CAAPE), entidade assistencial da OAB Pernambuco. O serviço começou a funcionar durante a pandemia e, até hoje, dez profissionais já procuraram ajuda.

O auxílio prevê atendimento psicológico, assessoramento jurídico e hospedagem, para que a vítima possa ter segurança física e mental para enfrentar a violência. Além das advogadas, estagiárias inscritas na OAB-PE também podem contar com o apoio.

A assistência teve início em agosto do ano passado. “Em um momento onde, lamentavelmente, a pandemia potencializa as violências, é ainda mais importante que as instituições protejam os seus profissionais. Esperamos que esse apoio psicológico, jurídico e social ajude e mude essa realidade que infelizmente ainda existe”, destaca o presidente da CAAPE, Fernando Ribeiro.

Com o apoio, Maria diz ter conseguido mudar de vida. "Passa muita coisa na cabeça da gente, a exposição por conta da profissão, o medo de perder credibilidade, mas a Caixa de Assistência dos Advogados me acolheu de forma discreta e me ajudou a perceber que eu não precisava mais passar por isso. Uma mensagem que eu deixaria para todas as mulheres, advogadas ou não, é: não se intimidem, procure ajuda", relata.

Assim como Maria, mais nove mulheres procuraram a ajuda.Algumas, no entanto, desistiram no caminho. Outras ficaram apenas com apoio psicológico. Importante lembrar que as vítimas de violência doméstica também devem procurar a delegacia para denunciar os casos para que haja punição aos seus agressores.

A Delegacia da Mulher localizada no bairro de Santo Amaro, na área central do Recife, por exemplo, funciona 24 horas por dia. O endereço é Rua Travessa do Pombal, s/n. O telefone para contato é o (81) 3184-3352.

AMPLIAÇÃO

Neste mês, o serviço foi ampliado. Agora, os advogados e advogadas vítimas de violência de raça, orientação sexual e identidade de gênero também podem pedir apoio e receber os mesmos serviços previstos para aquelas que sofrem violência doméstica.

 

Comentários

Últimas notícias