JUSTIÇA

CASO MIGUEL: "Queria que ela recorresse da sentença presa", diz Mirtes sobre condenação de Sarí

Mãe de Miguel, que morreu após cair do nono andar de um prédio de luxo no Recife, fala sobre a condenação de Sarí Corte Real

Raphael Guerra
Cadastrado por
Raphael Guerra
Publicado em 31/05/2022 às 19:53 | Atualizado em 31/05/2022 às 22:40
WELINGTON LIMA/JC IIMAGEM
Mirtes Renata comemorou a condenação de Sarí Corte Real pela morte do menino Miguel - FOTO: WELINGTON LIMA/JC IIMAGEM
Leitura:

A condenação de Sarí Mariana Costa Gaspar Corte Real, a oito anos e seis meses de prisão pelo crime de abandono incapaz com resultado morte, foi comemorada pela mãe do menino Miguel Otávio. Em entrevista à coluna Ronda JC, nesta terça-feira (31), Mirtes Renata afirmou que recebeu a decisão da Justiça com alívio.

"Estou muito feliz. Ainda mais porque a morte do meu filho está prestes a completar dois anos. Queria que ela recorresse da sentença presa. Mas só de saber que ela foi condenada, é muita coisa. Dá um certo alívio. Prova que o esforço está dando certo. Minha vontade agora é de gritar", disse Mirtes. "Vou ficar satisfeita quando ela estiver atrás das grades", completou.

Mirtes soube da sentença por meio da coluna Ronda JC. Emocionada, ela contou que ainda aguarda o advogado dela ter acesso à íntegra da decisão justiça.

Conforme informado pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), Sari Corte Real poderá recorrer da sentença em liberdade.

Segundo a sentença do juiz José Renato Bizerra, “não há pedido algum a lhe autorizar a prisão preventiva, a sua presunção de inocência segue até trânsito em julgado da decisão sobre o caso nas instâncias superiores em face de recurso, caso ocorra".

O QUE DIZ O MPPE

O MPPE protocolou, em dezembro de 2021, suas alegações finais sobre o caso. O promotor de justiça Humberto Graça destacou, no documento, que existem circunstâncias agravantes, pelo fato de o crime ter sido cometido em momento de calamidade pública.

No dia dos fatos, a creche de Miguel estava fechada em razão da pandemia e Mirtes Renata, mãe da criança, não teve escolha senão levá-lo à casa de Sarí, onde trabalhava como empregada doméstica.

"Apenas pelas idades, dela e da criança, já seria natural esperar um comportamento diferente da acusada, pois naquele momento, não apenas convencer e demover a criança de seu intento seria o esperado, mas sim remover a criança do elevador e conduzi-la em segurança de volta ao interior do apartamento, (...) ou seguir com ela no elevador ao encontro da mãe (...). O que não poderia ter acontecido era o abandono da criança no interior de um elevador",destacou o promotor.

O MPPE também não considerou aceitável que um adulto se sujeite às vontades de uma criança que não tinha condições de seguir no elevador desacompanhado, deixando-o tomar as rédeas da situação: "Tratar, naquele momento, uma criança de apenas 5 anos, como uma pessoa maior, capaz, inclusive de entender os perigos a que estava sujeita, foi, no mínimo, imprudente e negligente da parte da acusada”, disse a manifestação.

RELEMBRE O CASO

Miguel morreu na tarde de 02 de junho de 2020. Depois de a mãe descer com o cachorro da patroa, o filho correu para pegar o elevador e ir atrás de Mirtes. Sarí chegou a ir até o garoto e conversou com ele. Depois de algumas tentativas, ela apertou o botão da cobertura, antes de deixar a criança sozinha no elevador - segundo imagens de câmeras de segurança periciadas pelo Instituto de Criminalística.

Ao sair do equipamento, no nono andar, o menino passou por uma porta corta-fogo, que dá acesso a um corredor. No local, ele escala uma janela de 1,20 m de altura e chega a uma área onde ficam os condensadores de ar. É desse local que Miguel cai, de uma altura de 35 metros.

Sarí Corte Real é esposa do ex-prefeito de Tamandaré Sérgio Hacker (PSB). Na época do caso, Mirtes e a avó de Miguel trabalhavam na casa do então prefeito, mas recebiam como funcionárias da prefeitura. A informação foi revelada pelo Jornal do Commercio.

Após a denúncia, o MPPE instaurou uma investigação, descobriu que outra empregada doméstica da família também era funcionária fantasma da prefeitura, e a Justiça determinou o bloqueio parcial dos bens de Hacker.

O MPPE descobriu ainda que a mãe e a avó de Miguel ganhavam até gratificação por produtividade, mesmo sem trabalharem na prefeitura, como revelou documento obtido pela coluna Ronda JC.

Comentários

Últimas notícias